Rádio Observador

Défice Público

Desta vez foi diferente? /premium

Autor
106

Ouvimos vários governos durante as últimas mais de duas décadas prometerem-nos que agora sim, as contas públicas estão controladas. Será desta vez diferente?

O último Programa de Estabilidade deste Governo promete dar ao país o seu primeiro excedente orçamental em democracia no ano de 2020. Na prática, se não fosse o dinheiro que ainda tem sido preciso injectar no Novo Banco, o Governo poderia anunciar um excedente orçamental já este ano. Não que se esteja aqui a defender que não se devia garantir a solidez do Novo Banco, serve este exemplo apenas para mostrar como os bancos ainda nos exigem recursos, perante o cenário de que não os apoiar seria ainda pior para nós.

Mas voltando ao tema das contas públicas, a dúvida que permanece e que se justifica é se, desta vez, finalmente, teremos o “monstro” controlado.

Nos últimos quatro anos, a redução do défice público foi obtida pela conjugação de quatro factores: uma acentuada subida da receita fiscal viabilizada em grande parte pelo crescimento do emprego e do consumo, sobretudo com o turismo; uma redução dos encargos com juros, conseguida à custa da descida da taxa de juro, por via da manutenção da credibilidade financeira conquistada ainda com Pedro Passos Coelho, da política do BCE e da gestão prudente da dívida; uma gestão ainda mais centralizada no Ministério das Finanças de toda a parte da despesa pública menos visível e fora dos acordos com o BE e o PCP, como se pode ver no decreto de execução orçamental; e uma travagem significativa no investimento público quando se compara até com os anos da troika.

A travagem no investimento público é impressionante. Vale a pena olhar para os principais agregados das administrações públicas, divulgados pelo INE. Se somarmos a formação bruta de capital fixo das administrações públicas – inclui autarquias – de 2012 a 2014, o montante investido foi de 11,3 mil milhões de euros, quase mais mil milhões que os 10,4 mil milhões de investimento público entre 2016 e 2018. (Excluíram-se o ano de 2011 que por causa das eleições quer por ter ainda efeitos de arrastamento do investimento de anos anteriores e o de 2015 por ter sido ano eleitoral.)

Com este retrato, é muito difícil considerar que desta vez é diferente, que temos de facto as contas controladas. Há um défice escondido com efeitos nos serviços públicos que mais cedo ou mais tarde será impossível de esconder. Neste momento, o Governo ainda consegue acusar, quem tenta denunciar esta degradação dos serviços, como estando a fazer oposição ou ao serviço dela.

Como este controlo da despesa de funcionamento e de investimento está a ser concretizado sem que se alterem os processos de produção ou funcionamento da administração pública, uma vez que este Governo se recusa a fazer qualquer coisa que se possa designar como reforma da administração pública, a degradação dos serviços é ainda mais grave.

Vamos assistindo a essa degradação nas filas para tirar ou renovar o Cartão do Cidadão e em testemunhos aqui e ali sobre o estado da Saúde, onde por vezes não existem consumíveis básicos para o funcionamento. Com o PCP e o BE enquadrados no poder e sem desempenharem o sue tradicional papel de denúncia, esta política é viável durante mais tempo, mas não durante todo o tempo.

O ministro das Finanças disse-nos na RTP que aquilo que o Estado gasta hoje é cobrado hoje, que não está a fazer a política do passado, dos governos de 1995 a 2015, que deixaram o equivalente a 5% do PIB para serem pago pelos contribuintes futuros, na prática por nós. Sem dúvida que foi assim, com um alerta: a intervenção da troika foi o culminar dessa política de gastar mais do que se tem e, por isso, não deveria estar nessas contas de Centeno.

Sendo certo que foi o passado que nos conduziu a uma dívida pública que, no presente, condiciona a margem de actuação da política orçamental, também é certo que este Governo, na pouca margem que tinha, fez escolhas. E são essas escolhas que se podem e devem questionar. Porque, se o passado nos deixou uma herança para pagar, o presente pode estar a deixar uma herança de serviços públicos degradados, especialmente na saúde. Para não falar de uma reforma da segurança social adiada.

Na realidade não temos a certeza de ter controlado as contas públicas. Há demasiados sinais de despesas e mudanças adiadas para estarmos já confortáveis com os objectivos atingidos. Podia ter sido de outra maneira? Há sempre alternativas, mas este Governo, focando-se, bem, no objectivo de reduzir o défice para controlar a dívida pública, escolheu aplicar os poucos recursos que tinha nas despesas mais visíveis para o eleitorado e que viabilizavam a aliança com o PCP e o BE. Desta vez foi diferente, mas sem garantias de que teremos um resultado diferente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

As greves antes e depois dos motoristas /premium

Helena Garrido
759

As greves podem nunca mais voltar a ser as mesmas depois do que está a acontecer com os motoristas. Estas greves são em si efeitos de um Governo com o inédito apoio dos partidos de esquerda.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido
166

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz
157

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)