Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já voltaram os ataques habituais contra Israel e a defesa do Hamas. Mas foi o Hamas que começou por atacar Israel com mísseis. Como faria qualquer governo para defender os seus cidadãos, Israel respondeu com força e poder militar. Como qualquer outro país numa situação de guerra, os israelitas cometem erros e abusos. Mas há uma grande diferença entre os dois lados: os respectivos valores políticos. Israel é uma democracia, o Hamas é um movimento terrorista e totalitário.

Para quem considera que os valores políticos são fundamentais, e os defensores das democracias seguramente que concordam com este ponto, essa diferença é crucial para avaliar o conflito. Há uma ligação profunda entre os valores políticos e o modo como se usa a força militar e se protege os cidadãos. Israel investe bastante na defesa dos seus cidadãos, uma prioridade absoluta. Por isso, construiu um sistema de defesa anti-mísseis altamente eficaz. Além disso, existem bunkers de proteção em quase todas as casas e prédios, de habitação e de trabalho.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.