Lei das Rendas

Estabilidade, estabilidade, estabilidade

Autor

Portugal é um país onde muita gente nos promete muita coisa, mas onde ninguém pode garantir nada. Perante este carrossel de incerteza, Mirabeau, entre nós, não pediria audácia, mas mais estabilidade

As últimas minudências da Lei das Rendas já aqui tiveram o seu explicador. Mas a propósito do regime de arrendamento urbano — através do qual vários governos impuseram aos proprietários servidões “sociais” que, a existirem, competiam ao Estado –, é talvez necessário dizer alguma coisa mais geral. A lei satisfez uma das condições negociadas pelo Partido Socialista para evitar a bancarrota. Os méritos e deméritos do mecanismo de descongelamento de rendas ou do procedimento especial de despejo são irrelevantes para o que me interessa agora. Foi uma das poucas “medidas” dos últimos três anos que dispensou o governo de demonstrar que alguma coisa tinha mudado. Mas o que a proposta de revisão sugeriu este mês, é que a lei não configurava um novo regime, mas assinalou apenas o princípio de uma deriva legislativa sem termo certo. Podia arranjar outros exemplos. A conclusão seria a mesma: em Portugal, não existe a lei — existe apenas um processo legislativo em curso.

Bem sei que as leis mudam, que podem ser aperfeiçoadas, que devem ser actualizadas, mas onde as leis mudam constantemente, seja por que motivo for, perde-se a grande vantagem da lei, que não é apenas os direitos e deveres que institui, mas a estabilidade, a previsibilidade, a garantia que dá à vida em sociedade. O contrário da lei não é necessariamente a injustiça, mas é fatalmente a arbitrariedade, mesmo que a arbitrariedade tenha a forma de leis sucessivas ou de sucessivas revisões da mesma lei. A lei em Portugal, perdida numa selva de emendas e de excepções, desmente todos os provérbios: nunca é dura, nem igual para todos. As leis fiscais representam, a esse respeito, o auge da instabilidade legislativa.

Todos, em Portugal, prometem mudanças. Prometeu-as o governo, há três anos. Promete-as agora o PS, para o próximo ano. No caso do governo, o que vimos foi que o novo quadro legislativo nunca estabilizou nem foi completamente desenvolvido: parte das “reformas estruturais”, por exemplo, foram deixadas em herança a próximos governos. No caso do PS, desconfiamos que, limitado pelas suas divisões e prováveis alianças, tudo poderá ainda ser mais volátil e indefinido.

A importância da estabilidade parece escapar a muita gente. Estabilidade de uma governação assente numa maioria coerente e em sintonia com o Presidente da República a eleger em 2016. Estabilidade de um projecto bem estudado, que não suscite irritações constitucionais, ou que as aponte desde logo, para resolução prévia. Estabilidade de uma administração com fins, meios e procedimentos definidos e transparentes. Uma estabilidade que nos garantisse que impostos temos que pagar, que salários vamos receber, que pensões podemos esperar, que cuidados de saúde estão ao nosso alcance, ou ainda, por exemplo, que tipo de contrato temos com os nossos senhorios ou com os nossos inquilinos. É que sabendo isso, poderíamos prevenir-nos, adaptar-nos, habituar-nos. Pedem-nos trabalho, poupança, investimento. Mas quem pode comprometer-se num país em fluxo, onde tudo passa como numa torrente confusa? Talvez nos convenha ter leis melhores e instituições mais perfeitas, mas convém-nos ainda mais ter leis firmes e instituições consolidadas.

Portugal é um país onde muita gente nos promete muita coisa, mas onde ninguém pode garantir nada, como reconhecia há dias o Ministro da Presidência. Perante este carrossel de incerteza, Mirabeau, entre nós, não pediria audácia, mas estabilidade: estabilidade, sempre estabilidade, e mais estabilidade. Quem é que nos pode dar isso? Como é que todos podemos contribuir para isso? Eis as perguntas a que a oligarquia política, se quiser ser relevante, deve responder.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Austeridade

Nunca tão poucos enganaram tantos /premium

Rui Ramos
2.381

Em 2016, disseram-nos que a austeridade era uma página, e que estava virada. A austeridade, porém, não é uma página. É um livro inteiro, de que já ninguém lembra o princípio e ninguém sabe o fim.

Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Lei das Rendas

A culpa não é dos governos, é nossa

Helena Garrido
2.780

Somos nós que validamos as escolhas dos governos. É por nossa culpa que estamos a suportar a crise dos bancos. E é culpa nossa acreditar que limitar o aumento das rendas resolve problemas na habitação

Lisboa

Lisboa à venda: de quem é a culpa?

Lucy Pepper
1.666

É complicado que esta seja uma cidade em que vivem pessoas com ideias fantásticas, e outras com enorme poder, todos a olhar enquanto Olisipo arde e uma paródia dela própria renasce das cinzas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)