Família

Há solução para o casamento?

Autor
169

O problema do casamento está nos sonhadores, porque nos vendem promessas de felicidade fácil e barata, e nos cínicos porque nos matam o desejo e a esperança de um casamento exigente, mas feliz.

Muito se escreve sobre o tema de como ter um casamento de sucesso. São-nos dadas dicas específicas. Livros, encontros, pois há teorias para tudo. Afinal, a nossa felicidade está em jogo e queremos perceber como funciona alcançá-la. Sabemos da taxa de divórcio em Portugal, 70 em cada 100 casamentos dão em divórcio. No Brasil estes aumentaram em 160% na última década. Também é verdade que há vários condicionalismos e situações diferentes e que um divórcio é muitas vezes a única via para solucionar um problema, mas penso que todos concordamos que quanto menos divórcios, melhor. Como podemos então enfrentar esta tendência, aliada à do decréscimo a pique da natalidade? Falamos muito de resolver conflitos e atenuar danos depois do divórcio. Com certeza que é importante. E antes do casamento, o que podemos fazer? Falamos tanto de planos de negócios, de dieta, de treino, formação, carreira profissional, e porque não falamos de “planear-nos” e não apenas a boda de casamento, o bouquet e o vestido? Pode ser uma via?

O problema do casamento está nos extremistas: nos sonhadores e nos cínicos. Os sonhadores, porque nos vendem promessas de felicidade fácil e barata, os cínicos porque nos matam o desejo e a esperança de um casamento exigente, mas feliz. No meio, mais uma vez, está a virtude? Tenho experiência de que quanto mais falo, penso e trabalho nesta área do casamento (com um site de 20.000 pessoas e já com alguns casamentos realizados), mais me confronto com os meus erros e fragilidades como casado. Por outro lado, desafia-me. Se esses erros não forem “fatais”, melhor. Estes últimos podem ter raízes “estruturais” na pessoa e na sua história. Feridas passadas ou pouca maturidade para a decisão. É preciso um processo de discernimento antes, mas também muita descomplicação, se não, não se desfruta o que de melhor nos dá a vida! Os erros no casamento podem também ser deliberados. E os erros grandes começam sempre com muitas coisas pequenas. Nunca um rompimento, traição, acontecem num dia em que um dos cônjuges está maldisposto!

E um divórcio pode ser um “sucesso”? Pode, pois a decisão inicial pode ter sido errada. Ou mesmo uma nulidade confirmada (Atenção: ninguém pede para “anular o casamento”, como às vezes se ouve! Pode-se pedir às autoridades eclesiásticas competentes para “averiguar a nulidade matrimonial” e para isso se conduz uma investigação. Pode-se chegar à conclusão de que o matrimónio nunca existiu, ou existiu mesmo). E se os noivos estavam plenamente conscientes e maduros na decisão e depois divorciam-se por desleixo consciente, podemos considerar um insucesso, mas imagine-se, ainda, que há um cônjuge mais responsável do que o outro pela separação e este último segue em frente, cresce com o processo e encontra novo sentido para a vida?

De qualquer forma, o “sucesso” ou “insucesso” do casamento só cabe ao interessado na sua consciência e, a quem acredita, a Deus, de qualificar. Aos outros cabe a ajuda e compreensão.

Então há “solução” para o casamento? O padre jesuíta português Vasco Pinto de Magalhães diz uma frase interessante, não necessariamente neste contexto: “não há soluções, há caminhos”. De certa maneira, tem razão. É enganador tentarmos aplicar soluções “chapa 3” a toda a gente, partindo do princípio que todos somos iguais, vivemos a mesma história de vida e possuímos os mesmos talentos. De qualquer forma, somos todos humanos e haverá algo que temos em comum. Penso que há caminhos individuais, claro, mas também não é incompatível haver soluções.

Então o “sucesso” do casamento depende só de nós? Chegará a nossa atuação?

Penso que a felicidade no casamento, mais do que “sucesso”, é um resultado de muitas coisas, mas de oportunidade, preparação e entreajuda, é certamente.

À oportunidade, uns chamam “sorte”, outros “graça”. Todos temos um caminho na vida, uma vocação, uma chamada para fazer e ser algo. Uns encontram-no mais cedo do que outros, uns nunca o encontram. Outros acertam o caminho, perdem-no e encontram-no mais à frente.

À preparação, o tal discernimento, que não se cinge só a pensar bem antes da decisão, mas de, partindo de alguns princípios, adequá-los à nossa vida, perceber o que nos ajuda e desajuda e agir em conformidade.

Por fim, a entreajuda. O “nós”. Todo este processo faz-se, sim, em conjunto. “Ninguém é uma ilha”. Não só em casal, mas em tudo o que recebemos e vivemos em “comunidade”. Sempre adorei o conceito de “community” dos americanos. E eles referem-se a isso na sua zona geográfica de residência. Nós faremos o mesmo?

Se chegamos bem a adultos não é só por nós, mas também por um conjunto de influências. Como dizia o Papa Francisco num inolvidável TED TALK, “a solução está no “nós””. A solução do casamento está na nossa decisão de compromisso, mas também em todos os que o rodeiam e o podem ajudar, antes e durante.

Quantas ruturas seriam evitadas com o suporte da família, a compreensão, o perdão, a ajuda nos fins de semana com os miúdos? Como tudo seria mais fácil se, claro, as pessoas que trabalham corajosamente não se vergassem à escravidão de horários desumanos, mas também contassem com o auxílio de amigos a encontrar alternativas de trabalho, irmãos mais disponíveis a ficar com as crianças, amigos a substituírem-nos numa ida à lavandaria. Como seria tudo mais fácil se os solteiros dessem sentido ao seu caminho dando o seu tempo a quem menos tem ou outras pessoas que tiveram menos oportunidades e, assim, ganham eles e ganham os outros? Quantos não cairiam em desânimo se fossem amparados por pais e amigos mais presentes, não obcecados com o seu tempo e suas coisas, mas com o bem do outro? Estamos nós devidamente despertos para isto ou cada um centrado no seu “sucesso”?

O que seria eu sem os valores que me foram passados em casa, a confiança e ajuda, o que seria sem a minha psicóloga que me aconselhou num período duro de depressão, sem o padre que me aconselhou ou o meu pai que me aturou quando despejava a minha frustração nele sobre uma chefe intratável? O que seria eu sem a minha mulher, a qual vê muito mais em mim do que os meus defeitos, mas as minhas possibilidades?

O crescimento (e o sucesso) é um processo de nos tornarmos “capazes”, sempre com os outros.

É preciso também um trabalho de “humilhação” pessoal. Algo que não é rebaixamento, mas revela coragem e inteligência. Algo que hoje é muito difícil, porque queremos ser todos “importantes” e “únicos”, o que é perfeitamente legítimo, mas muitos se esquecem que para lá chegar, há que se encontrar consigo mesmo. E custa. E envolve pedir ajuda.

Por isso, o caminho e solução do casamento está no “nós”, num mundo menos individualista e fechado.

Editámos um livro a que chamámos “Casar com sucesso – guia humano e espiritual para solteiros (e não só)” (Princípia), de Gudrun Kugler, o qual em alemão é “Niemand ist eine insel” – “Ninguém é uma Ilha”. Arrependo-me um pouco de não ter deixado o título alemão, pois cada vez me convenço mais que existo porque outros existem. Por outro lado, a razão de darmos este nome foi também mostrar que a ajuda dos outros ou de algum meio é importante na procura de uma pessoa para casar, mas o trabalho é nosso. É possível, somos capazes, os outros são essenciais para nos ensinarem a pescar, mas não para nos darem a cana e o peixe. E que a queixa e a vitimização não levam a lado nenhum.

Se este é mais ou menos um livro de autoajuda, não é o manual tradicional deste género, pois tem também uma abordagem espiritual e cheia de referências científicas, literárias e filosóficas.

E do que trata o livro? Conselhos práticos para solteiros com o sonho de casar. Fala do antes e esse é o ponto que nos parece mais interessante. Na antítese de conselhos do que fazer quando a situação já está complicada, também úteis, com certeza, este livro pretende dar sugestões de como encontrar uma pessoa, preparar-se, como abordar o antes da decisão de casar. Desde o conhecer-se a si próprio e a outra pessoa e, se for cristão, o papel de Deus nisto tudo. É uma lista de “regras de vida”, a autora não o esconde e podem não se adequar a todos, é compreensível. De qualquer forma, podem ser, para outros, algumas pistas de reflexão.

António Pimenta de Brito formou-se em Língua e Cultura Portuguesa (língua estrangeira) pela FL-UL e depois fez um MBA em gestão, no ISEG-UL. Tem trabalhado em empresas nos últimos 12 anos. Fez formação em Comunicação na Harvard Kennedy School e na European Dignity Watch, em Bruxelas. Recentemente tornou-se empreendedor e docente ao criar a primeira Pós-Graduação em Portugal em Gestão de Organizações Religiosas, no ISEG-UL e é atualmente corresponsável pelo site internacional em língua portuguesa, fundado na Áustria, www.datescatolicos.org, dá palestras e escreve sobre o tema das relações e casamento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catolicismo

Sair do armário como católico

António Pimenta de Brito
1.646

Tal como não julgo um homossexual ou um muçulmano sem o conhecer, também se devia fazer o mesmo com os católicos praticantes. Não julgar antes de os conhecer. Mas será que isso acontece?

Família

O casamento tem a ver com amor e não com dever

António Pimenta de Brito
128

A pergunta de qualquer pessoa, católica ou não, é: conseguirei eu ser feliz numa relação toda a vida, manter o romantismo e a minha individualidade, ao mesmo tempo que tenho filhos e trabalho?

Global Shapers

Que será de ti, Portugal?

Catarina Reis Carvalho
116

Ainda há muitos estereótipos a combater sobre igualdade do género na organização familiar. E será que estamos mesmo comprometidos em ter filhos ou ainda damos maior valor ao trabalho?

Europa

Falta de confiança  /premium

Manuel Villaverde Cabral

Por todo o lado são cada vez mais os eleitores que se abstêm ou que se viram para os «populistas» que tudo prometem e, até agora, não conseguem mais do que piorar as coisas, aumentando a instabilidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)