Rádio Observador

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Autor
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Os protestos que em Hong Kong se iniciaram há um mês são muito reveladores se pensarmos na herança que britânicos e portugueses deixaram naquela região da Ásia. Em Hong Kong, a possibilidade de extradição de suspeitos para a China levou milhões para as ruas, sabendo que estavam a correr o risco de serem presos e torturados. Esta coragem já tinha sido demonstrada em ocasiões anteriores e revela simplesmente o apego à liberdade e a cultura democrática que os britânicos deixaram naquele território.

As autoridades chinesas, e os seus representantes em Hong Kong e em Macau, irão agora hesitar antes de tentar implementar uma regra semelhante. Irão consegui-lo mais tarde ou mais cedo, não tenhamos ilusões sobre o Comunismo, mas ficaram a saber que a integração de Hong Kong será difícil.

Por isso, também é fácil concluir que irão começar por Macau quando quiserem forçar a integração dos dois territórios. Hoje, respira-se em Macau um clima de total dependência e subjugação face à China.

Não é difícil perceber que se a hipótese de extraditar um suspeito para a China continental tivesse surgido em Macau ninguém protestaria. Esta atitude é reveladora da herança portuguesa em Macau e do contraste face aos britânicos.

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar do seu salário melhorado e da sua vidinha, aproveitando para conhecer o Oriente. O que deixaram vincado foi uma cultura de subserviência e de aproveitamento oportunista, e pouca preocupação sobre o destino dos habitantes do território. E este desinteresse é também comprovado pelo silêncio dos pretensos “defensores” dos direitos fundamentais em Portugal.

Passado um mês desde o início dos protestos nem um comentário foi publicado no jornal Público, onde os “justiceiros” são lestos a apontar os dedos aos “Bolsonaros” deste Mundo enquanto “disfarçam” os regimes cubano e venezuelano ou “escondem” a corrupção do Sr. Lula.

Tratando-se de uma ditadura de esquerda, os comentadores de serviço calam-se. O seu silêncio diz mais do que o “barulho” das palavras que habitualmente usam.

Economista. O texto reflecte apenas a opinião do autor

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Brexit: A esperança é que seja desta

Ricardo Pinheiro Alves

As próximas semanas irão mostrar se o novo governo repete o erro de May de perder tempo com o Sr. Barnier ou o Sr. Juncker, ou se vai realmente falar com a única pessoa que pode decidir, a Sra. Merkel

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)