Hoje mesmo estão a acumular-se novos impasses internacionais sem fim à vista. É possível que não tenham nada que ver connosco mas a verdade é que atingem os dois países com os quais Portugal tem relações políticas mais antigas – o Reino Unido e a Espanha – e é certo que estes impasses político-ideológicos acabarão por ter consequências negativas para nós, quanto mais não seja no plano dos desequilíbrios económicos que arrastarão, quer do ponto de vista das trocas comerciais como do investimento.

Como era de esperar, em Inglaterra – mais do que no conjunto de um reino desunido pela questão europeia – o reacionarismo presuntuoso do velho Partido Conservador elegeu para primeiro-ministro um personagem só comparável a Donald Trump pela arrogância e falta de perspectivas acerca do futuro que está a ser construído neste momento no mundo inteiro. Como é óbvio, estou a falar de Boris Johnson – o auto-proclamado femeeiro que usa o cabelo despenteado e pintado de amarelo, tal como Trump!

Não se pode considerar muito democrático que dois-terços dos 140.000 votantes «conservadores» tenham colocado Johnson no poder, arriscando um país inteiro a submeter-se à inconsciência do personagem. Os pouco mais de 90 mil votos que teve são, proporcionalmente, bastante menos do que António Costa teve nas «directas» do PS e até do que Rui Rio, imagine-se! E são esses 90 mil teimosos em 45 milhões de eleitores que pretendem e talvez consigam decidir os destinos do Reino Unido e assim afectar a própria UE!

Em compensação, ainda pode ser que alguém, incluindo em Bruxelas, mantenha a mão estendida aos fanáticos do «brexit» a fim de encontrar uma saída ou, melhor ainda, uma negociação prolongada que obrigue a novas eleições e estas tragam a queda dos Conservadores. Os Trabalhistas, apesar de o líder e muitos dos seus seguidores não serem mais abertos ao mundo exterior do que os «tories», parecem ter percebido que poderiam ganhar as próximas eleições e fazer novo referendo sobre a pertença à UE que alterasse o resultado anterior. Em suma, nada está ainda totalmente decidido, mas o mal já está feito e levará muito tempo a sarar.

Pelo seu lado, o caso espanhol também não contribui para a paz de espírito dos eleitores espanhóis nem do resto dos europeus. Após meses de equilibrismo consentidos pela Constituição ao ambicioso líder do Partido Socialista (PSOE), Pedro Sánchez, que está longe de ter a maioria, encontra-se neste preciso momento no limite das concessões a um aliado tão pouco recomendável – pela falta de palavra e de objectivos claros – como são os populistas do Podemos. De resto, estes não têm votos para garantir uma coligação maioritária.

A primeira tentativa de fazer passar um governo já falhou. Qualquer outra, neste momento, obrigará Sánchez, que tem mais ânsia de poder do que ideias novas e viáveis, a engolir o «homem do rabo-de-cavalo» (os penteados estão decididamente na moda)! Pablo Iglésias, que vive do mesmo nome que tinha o fundador do PSOE, ganhou entretanto o hábito de se fazer representar pela esposa no parlamento e no governo putativo, enquanto ele fica na vivenda familiar a tomar conta das filhas (as vidas particulares e o «sex-appeal» são outros dos ingredientes desta lamentável «pós-política»)!

Dito isto, mesmo com os votos de Podemos (42 a juntar aos 123 do PSOE), este casamento de conveniência não chega à maioria (176). Precisa de mais 11 abstenções que só podem vir dos «regionalistas» mas, em princípio, Sánchez não deveria aceitar o apoio dos nacionalistas catalães pois isso pode fazer-lhe perder votos no futuro. A Esquerda Catalã tem 15 votos que chegariam para eleger a coligação mas Sánchez receia. O Podemos não tem nada a perder; só a ganhar, sobretudo «agitação e propaganda», como cá.

Se se tratasse só da fragmentação partidária da representação parlamentar, como tende a ocorrer cada vez mais em toda a parte, a dificuldade resolver-se-ia de modo «geringoncial», como o PSOE e o Podemos estão aliás a tentar. Porém, a Espanha não é Portugal: não só houve uma guerra civil, que parece ter ocorrido há muito tempo mas que tem sido ressuscitada nos últimos anos – primeiro pela Esquerda e depois pela Direita – e as feridas reabriram-se. Neste momento, essas feridas do passado são difíceis de voltar a meter na gaveta onde estavam guardadas.

Ora, a Espanha é de longe o maior parceiro económico de Portugal, representando um terço das nossas importações e 25% das exportações, sendo os investimentos mútuos 45 mil milhões de euros. A fragmentação e a instabilidade política, exacerbadas pelo grau de conflitualidade ideológica ressuscitada do passado, fazem pois com que Portugal seja o primeiro país a sofrer as consequências dos impasses espanhóis a acrescentar aos britânicos e, por tabela, aos próprios impasses europeus!