Caro leitor, chamo-me Francisco e tenho 17 anos.

Interesso-me por política desde sempre, mas nos dias que correm este interesse intensificou-se, porque não me conformo com o estado do meu país. Sou apologista de uma política de centro, moderada e reformista. Racionalmente, sou anti-extremos. Considero igualmente incomportável a forma de estar de Catarina Martins, de Jerónimo de Sousa e de André Ventura. São uns puros extremistas, populistas e demagogos, que com propostas vazias e perigosas aliciam as massas.

Contudo, não sou contra acordos parlamentares do PS com o PCP e o BE, nem do PSD com o Chega!, desde que sempre sensatos e nunca governamentais.

O centro tem a obrigação de erguer pontes sensatas com os extremos e não muros intransponíveis, conseguindo assim governar Portugal com base nesses acordos. Caso contrário, enfrentamos um claro e penoso destino: ou ficamos ingovernáveis, ou adotamos uma imprudente política de bloco central, que fará os extremos galgar perigosamente.

Reitero, defendo o centro político e a moderação. Mas o verdadeiramente essencial é reformar Portugal.

Quem não reforma, é quem se conforma cobardemente com o atual estado do nosso país. E eu, pura e simplesmente, não me conformo.

Não me conformo com o facto de todos os Portugueses pagarem 23% de IVA independentemente da sua situação financeira, mas, simultaneamente, todos receberem manuais escolares grátis indiscriminadamente.

Seria justificado voltar às taxas moderadoras e acabar com os manuais escolares grátis para todos. É preciso seguir a filosofia de que quem tem possibilidades deve pagar e a quem não tem deve ser assegurado pelo Estado.

Não me conformo com uma Justiça desigual, cuja venda é destapada para beneficiar os fortes e prejudicar os fracos.

É fundamental recuperar a fragmentada confiança dos cidadãos no seu sistema. É vital fazer as mudanças necessárias para acabar com a impunidade dos poderosos. É necessário mudar o regulamento de custas processuais, a fim de ricos e pobres terem igual acesso à Justiça.

Não me conformo com um sistema de ensino desigual, que abre escancaradamente a porta do ensino superior aos que têm possibilidades, fechando-a aos que não têm.

É urgente acabar com o recorrente facilitismo e implementar uma política de máxima exigência para com os alunos, combatendo ao mesmo tempo a inflação de notas que beneficia descaradamente tanto alunos de alguns colégios privados, como alunos de algumas escolas públicas.

Não me conformo com um sistema de saúde onde o tempo de espera para obter uma consulta de especialidade é frequentemente o dobro do tempo máximo de espera definido por lei. É indispensável tornar o sistema mais pragmático e menos ideológico. Se o setor social e privado fazem o mesmo de modo mais eficiente, quer em termos de custos, quer em termos de resultados, há que abandonar complexos.

É de máxima importância reformar Portugal!

Não passo de um miúdo que pouco ou nada sabe, mas um miúdo que acredita num Portugal diferente.Num Portugal com um futuro melhor para a minha geração, promissor para as que hão de vir e fonte de segurança para as que me precedem.