Rádio Observador

Corrupção

O embuste dos campeões nacionais /premium

Autor
  • João Cândido da Silva

A defesa dos centros de decisão nacional sustentou muita destruição de valor. E abriu portas aos abusos sem paralelo protagonizados por José Sócrates e Manuel Pinho.

Quem tiver entrado neste texto entusiasmado com a perspectiva de ler algum comentário sobre o caso dos e-mails, a investigação a jogos realizados pelo Benfica durante o período em que conquistou quatro títulos ou sobre qualquer processo que envolva apitos dourados, ou de outra cor, vai experimentar o sabor amargo da desilusão. Aqui, os “campeões nacionais” têm a ver com Manuel Pinho, José Sócrates e, sem surpresa, com a promiscuidade entre interesses pessoais e privados e poderes públicos. Tudo enquadrado nas teses sobre a necessidade de garantir o controlo por accionistas portugueses de empresas consideradas estratégicas, os famosos centros de decisão que teriam de ser impedidos de ir parar às mãos de capitalistas estrangeiros.

A excitação em redor da defesa destes campeões chegou a justificar a divulgação de um manifesto que, à semelhança do célebre sketch dos Gato Fedorento sobre a posição conciliatória de Marcelo Rebelo de Sousa acerca da lei do aborto, tentava casar o evidente intuito proteccionista com a recusa do proteccionismo. Nas vésperas daquilo que se esperava ser uma ambiciosa nova vaga de privatizações, com o Governo liderado por Durão Barroso a planear as vendas de posições do Estado na EDP, Galp e REN, o documento tresandava a um desafio para que a opinião pública mostrasse algum patriotismo e ajudasse a exercer pressão, pelo menos a suficiente para que os decisores políticos encontrassem uma forma qualquer de ajudar capitalistas sem capital a ficar na posse das jóias da coroa.

Entre 40 subscritores, havia assinaturas para todos os gostos. Muitas delas expressavam a tomada de posição de pessoas animadas de propósitos sérios na promoção de um debate que estava a tomar proporções elevadas. De tal forma que até a Comissão Europeia acabaria por se envolver na discussão devido aos obstáculos colocados por diversos Estados-membros a tentativas de compra de grandes empresas, em clara contradição com o espírito e as regras do mercado único e da livre concorrência.

Em retrospectiva, não deixa de ser curioso que um dos subscritores tenha sido Ricardo Salgado. Entre economistas como Ernâni Lopes e António Borges e o antigo presidente do BES e líder do Grupo Espírito Santo, o significado da expressão “conceito estratégico nacional” seria certamente diferente. Infelizmente, como temeram os mais cépticos, aquele que acabou por se impor foi o que estaria na mente de Salgado, no fim de contas o mais conveniente para consolidar um modelo em que as empresas eram privatizadas, mas sem fechar as portas giratórias que continuaram a ligar o poder público a meios empresariais ou quebrar as amarras de cumplicidade entre políticos e meia dúzia de oligarcas.

Que tem isto a ver com Manuel Pinho e José Sócrates? Tudo e mais alguma coisa. Em primeiro lugar, porque as políticas imprudentes que foram seguidas durante os respetivos mandatos negligenciaram os avisos de que viver a crédito e acumular sucessivos e volumosos défices externos só podia terminar mal. Para os defensores das teorias sobre os “campeões nacionais” só podia acabar mesmo muito mal, com a venda de activos a investidores estrangeiros devido à incontornável necessidade de encontrar meios, rapidamente e a qualquer preço, para satisfazer os compromissos assumidos perante os credores.

Depois, porque os processos que têm como alvos o antigo primeiro-ministro e o ex-ministro da Economia revelam os abismos de venalidade, sem paralelo na democracia portuguesa, em que actores públicos e privados terão mergulhado, embalados pela sensação de impunidade de quem se sente um raro iluminado no topo de uma sociedade civil fraca, com uma Justiça sem meios ou sem vontade, e em que a existência de reguladores fortes é pouco mais do que uma conjugação de palavras num discurso de ocasião.

Alguns responsáveis socialistas parecem ter acordado para a gravidade de tudo aquilo que se passou durante um período em que o PS chegou a dispor de maioria absoluta. Governou como quis para, no fim, lavar as mãos perante um legado constituído por um rasto de destruição de valor, como atesta o triste fim de um “campeão nacional” como a PT, empurrada, entre outras desgraças, para uma fusão ruinosa com a Oi, e a exaustão financeira do Estado que forçou o terceiro resgate de Portugal após 1974.

Ana Gomes assumiu, sem rodriguinhos, nem cerimónias, o seu desconforto perante o silêncio dos camaradas de partido. Em contraste, os actos de contrição de António Costa, Carlos César ou João Galamba parecem resultar muito mais de uma simples manobra para garantir o regresso rápido à tranquilidade habitual do que da vontade sincera de começarem a explicar como foram capazes, até agora, de se manterem impassíveis e sem sinal do mais leve sobressalto de indignação, enquanto a opinião pública era confrontada com situações que não desmereceriam a mais ousada literatura e cinematografia sobre poder, lassidão moral e corrupção ao mais alto nível.

Sobre José Sócrates e Manuel Pinho pairam fortes indícios de que usaram e abusaram do poder que lhes foi confiado. Os tribunais farão o caminho que lhes compete, mas o assunto também pertence à política. Serviram-se do PS como um trampolim para alcançar objectivos pouco dignos, à margem da lei e da ética. Em troca, têm sido premiados com o silêncio, a tibieza e a desculpabilização de quem os apoiou e acabou traído. Isto é que são camaradas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

PSD, a versão diesel do PS

João Cândido da Silva

Em política, a coerência tem um valor relativo, sujeito às mudanças de conjuntura. Se o PSD parece a versão diesel do PS, Pedro Passos Coelho e os seus apoiantes não podem sacudir a água do capote.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)