Rádio Observador

Sistema Financeiro

Caixa: da próxima vez será diferente? /premium

Autor
  • João Cândido da Silva

A Caixa está melhorzinha, mas as contas permanecem contaminadas pelos desvarios do passado. O problema é que não há sinais de que da próxima vez será diferente.

A Caixa Geral de Depósitos regressou aos lucros. As contas do primeiro trimestre de 2018 revelam que o banco público voltou a ser rentável, mas também indicam que existe um longo caminho que ainda tem de ser percorrido para recuperar a solidez que aparentou noutros tempos.

O crédito malparado representa mais de 11% do valor total dos empréstimos concedidos e menos de dois terços estão devidamente cobertos. Isto significa que o banco não está a salvo de vir a ter de assumir novas perdas por causa dos riscos em que incorreu, um factor que vai continuar a pairar como uma nuvem negra sobre os resultados.

É fácil o caminho para arrastar um banco até à quase destruição e muito difícil proceder à respectiva recuperação. O poço fundo em que a Caixa foi mergulhada foi o produto de erros de gestão e de uma instrumentalização irresponsável com o objectivo de satisfazer objectivos traçados à margem de quaisquer considerações sobre regras de prudência e de boa administração.

Foi usada e abusada para cumprir os desígnios dos centros de decisão nacionais em negócios como a partilha do grupo financeiro detido por António Champalimaud entre o Santander e o BCP, antes de ser utilizada para o assalto ao poder no Millennium, quando as irregularidades cometidas pela gestão fundadora de Jorge Jardim Gonçalves forneceram a oportunidade para colocar sob o controlo do Governo de José Sócrates um importante foco de poder financeiro.

Tomou posse, de forma obediente e conveniente, de posições accionistas em “campeões nacionais” como a Cimpor ou a PT, financiou empresários, investidores e projectos desastrosos, de que a La Seda e a Pescanova, são exemplos acabados. No fim das aventuras sobrou um rasto de perdas que teria sido ainda mais grave, talvez fatal, até, caso Pedro Passos Coelho não tivesse recusado fazer da Caixa o nadador-salvador que iria evitar o naufrágio do Grupo Espírito Santo.

Quem estiver interessado em saber o que se passou e como é que a Caixa chegou às profundezas a que chegou encontrará nos livros “A Vida e a Morte dos Nossos Bancos”, de Helena Garrido, e “Caixa Negra”, de Diogo Cavaleiro, duas boas fontes de conhecimento, capazes de fornecerem um quadro claro sobre o contexto em que as decisões foram tomadas e pormenores sobre o que sucedeu e quem esteve envolvido. No fundo, podem servir de sucedâneo perante os bloqueios legais que limitam a quebra do sigilo bancário, e que travam o acesso à lista de devedores que é pretendida pelo PSD, assim como aqueles que a maioria de esquerda já colocou para evitar embaraços ao PS e perturbações na geringonça a propósito de um tema incómodo, mais um, no passado recente dos socialistas.

Com alguma atenção, boa fé e liberdade em relação aos constrangimentos da pequena política, ou, simplesmente, da má política, permite a qualquer cidadão dispor de informação mais do que suficiente para constatar que, anos a fio e com o auge a ser atingido durante a governação financeiramente desvairada de José Sócrates, a Caixa foi pau para qualquer obra, pública ou privada. E que o arraial só terminou quando a crise colocou um ponto final na política da propaganda e das ilusões e o país não teve outro remédio se não o de se entregar nas mãos dos credores internacionais que obrigaram a que se desligassem as luzes, se fechasse a porta e se começassem a pagar as facturas da festa.

Nesta, como noutras matérias que ajudam a completar o retrato do apodrecimento e da descredibilização de um regime conduzido sob a batuta de uma elite desprovida do mais rudimentar sentido de Estado, o que surge como mais preocupante é a leveza com que os responsáveis políticos abordam a questão. Alimentam a suspeita legítima de que da próxima vez não será diferente e que os argumentos a favor da existência de um grande banco público têm mais a ver com as portas que abre às mais diversas traficâncias do que com as nobres proclamações sobre o papel de estabilizador do mercado, que só bancos saudáveis, bem geridos e imunes às tentações do poder político podem desempenhar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

PSD, a versão diesel do PS

João Cândido da Silva

Em política, a coerência tem um valor relativo, sujeito às mudanças de conjuntura. Se o PSD parece a versão diesel do PS, Pedro Passos Coelho e os seus apoiantes não podem sacudir a água do capote.

Economia

Não nos deixemos iludir /premium

Helena Garrido
279

Para que a próxima crise nos apanhe menos desprevenidos do que a anterior é preciso ser capaz de gerir a perda de poder de compra. Os alertas do FMI sobre Portugal mostram um país ainda muito frágil.

Sistema Financeiro

Chegados ao ponto de vertigem do Dólar…

Jorge Silveira Botelho

Na prática, a FED devolveu a flexibilidade necessária à sua política monetária para assegurar a longevidade do atual ciclo económico global, revelando assim o desejo secreto de um Dólar mais débil.

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)