Crónica

O melhor país do mundo /premium

Autor
2.844

Os poucos que assistem à farsa com o horror que esta merece aproveitam para se despedir do melhor país do mundo a fingir que não é uma vergonha, nas mãos de criaturas que não têm nenhuma.

Um destes dias, no meio das inúmeras coisas que diz, o prof. Marcelo disse que os professores portugueses “são dos melhores do mundo”. Aparentemente, tudo levava a crer não se tratar de uma afirmação gratuita, já que Sua Excelência, o Senhor Presidente da República, enumerou os critérios que a justificam: os professores portugueses são dos melhores do mundo “porque têm esperança, porque transmitem essa esperança, porque olham para o futuro e porque estão disponíveis”.

Por mera curiosidade, decidi consultar os “rankings” internacionais que quantificam esses factos. Comecei pelo “ranking” da Esperança. Não encontrei. E não encontrei qualquer dos “rankings” restantes, mesmo após buscas demoradas no Google e buscas breves em páginas que o pudor me impede de divulgar. Em lado algum consegui verificar a superioridade, ou a inferioridade, dos docentes daqui sobre os suíços ou os porto-riquenhos em matéria de Esperança, Transmissão de Esperança, Contemplação do Futuro ou Disponibilidade. As únicas classificações que encontrei, por exemplo as do teste PISA, colocam-nos em lugar mediano entre os países da OCDE, o que, a confirmar-se o elevado gabarito de quem ensina, confirmaria também a elevada estupidez de quem aprende.

Por sorte, ou azar, não se confirma nada. E se a ausência de fundamento não significa que o desabafo do prof. Marcelo seja mentira, indica fortemente que não é verdade. O prof. Marcelo disse o que disse como poderia ter dito que os taxistas portugueses são dos melhores do mundo (porque, eu sei lá, dão uma corrida às dificuldades). Ou que os picheleiros portugueses são dos melhores do mundo (talvez porque canalizam valências transversais). Ou que os pasteleiros portugueses são dos melhores do mundo (porque fermentam os sonhos). Exagero? Nem tanto. Na quarta-feira, em crónica que desgraçadamente só li depois de ter amanhado esta, o Miguel Pinheiro lembrou que o prof. Marcelo proclamara os militares portugueses “os melhores do mundo”, aquele dr. Vitorino “um dos melhores do mundo”, os trabalhadores do desporto, da ciência, da educação, da literatura e das empresas “os melhores do mundo”, e que a “pátria” em geral é “a melhor do mundo”.

Esta série de atoardas não destoa do paleio de café, não por acaso o melhor café do mundo. Na semana passada, falei da propensão indígena para a hipérbole patriótica. Foi, imagine-se, a propósito de um árbitro de ténis. Poderia ter sido a propósito dos vinhos, dos polícias, dos ralis, dos rojões, dos trombonistas, dos cardiologistas ou dos cantoneiros. Na insuspeita opinião dos portugueses, os portugueses são os melhores do mundo no que quer que se disponham a fazer ou a tocar. Enquanto conversa de simplórios, o exercício é apenas ridículo. Quando reproduzido até aos confins do insuportável pelo chefe de Estado, é mais do que ridículo, é a prova da baixíssima conta em que o chefe de Estado leva os seus eleitores. Se se elogia toda a gente, não se revela a mínima consideração por ninguém, e o prof. Marcelo não se limita a achar que o “povo” engole semelhantes patranhas: sobretudo convenceu-se, se calhar com razão, de que o povo o aprecia em função da dimensão das patranhas. Embora esteja por apurar para que serve um presidente da República, devia ser óbvio que não serve para isto.

E “isto” não é o pior. Apesar de embaraçosa e primária, a obsessão de um estadista com a predilecção das massas não seria uma calamidade caso se esgotasse nisso, ou na ocasional mudança pública de cuecas. O problema é que a sujeição das pessoas a “afectos” demagógicos não é um teste à popularidade do prof. Marcelo, é um teste à credulidade das pessoas. Ou uma forma de aferir os enxovalhos que são capazes de tolerar sem um pio.

Pelos vistos, apurou-se que toleram imenso. Inclusive toleram – vão ver que sim – a golpada que, na sequência de malabarismos reles, enxotou Joana Marques Vidal e concluiu a tomada do regime. Não vale a pena desperdiçar muitos adjectivos a descrever o processo. Basta perceber que se aboliu o último vestígio de resistência aos gangues que agora reinam em paz. O penúltimo, aliás, chamava-se Pedro Passos Coelho e agradeceu no Observador o desempenho da procuradora-geral. É um gesto digno, e uma implícita admissão de derrota do autor do texto e da respectiva destinatária. Não é uma surpresa, dada a desigualdade do combate. Porém, havia um combate. Hoje, há o silêncio das épocas tristes. E, se quisermos imitar os professores e olhar o futuro, o silêncio prolonga-se.

Por coincidência, ironia ou requinte de gozo, o prof. Marcelo aproveitou a data fúnebre para se despedir de não sei o quê na universidade. Os poucos que assistem à farsa com o horror que esta merece aproveitam para se despedir do melhor país do mundo a fingir que não é uma vergonha, nas mãos de criaturas que não têm nenhuma.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Obviamente, não se demitiu /premium

Alberto Gonçalves
1.046

À semelhança dos cachorros da lenda os profissionais do comentário ouvem as campainhas e reagem em conformidade, no caso em auxílio do dono que ameaçava repetir o trágico resultado eleitoral de Seguro

Eleições Europeias

Um país que parece mentira /premium

Alberto Gonçalves
2.233

Um punhado de criaturas que tem sonhos eróticos com a bóina do “Che” e os fatos de treino dos sobas de Caracas não constitui exactamente um “movimento”, digno de alerta na imprensa e tumultos na rua. 

Crónica

Ao ministro Cabrita, os carecas agradecidos

Luiz Cabral de Moncada

O que é que se pretende? Um homem novo escorreito, bonito, higiénico e saudável promovido por uma ideologia baseada na boa aparência e no uso da escova de dentes?

Caixa Geral de Depósitos

Rebentou a Berarda! /premium

Tiago Dores
409

Mais do que a receber Comendas, Joe Berardo é fortíssimo a receber encomendas. Basta lembrar como o governo de José Sócrates lhe encomendou que votasse ao lado do Estado na OPA da Sonae à PT.

Crónica

Serei eu um monstro?

Inês Pina

Cultivamos uma dissonância cognitiva. Se algo acontece e se sentimos que podíamos fazer algo, rapidamente sentimos que há alguém que podia/devia fazer mais do que nós. O que é isto?

Crónica

Os dias do parvoísmo /premium

Helena Matos
505

O perigo para o nosso tempo não está no comunismo nem no fascismo, mas sim no parvoísmo, esse infantilismo cruel que se tornou a ideologia triunfante dos nossos dias. De decadência,  obviamente.

Venezuela

Quociente de ingerência /premium

José Diogo Quintela
157

Os turistas da desgraça alheia são os ocidentais que diziam que só valia a pena visitar Cuba enquanto Fidel fosse vivo. Após da morte do tirano a pitoresca penúria cubana ia-se tornar desinteressante.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)