Rádio Observador

Corrupção

O PS está em pânico… e com razão! /premium

Autor
317

Ao contrário do que clama a «esquerda indignada», o país não precisa do sector privado para haver «corrupção». Pelo contrário: ela medra no actual sistema de clientelismo de Estado incarnado pelo PS.

Quando vi a comunicação social coberta de declarações alarmistas do primeiro-ministro acerca de um «sentimento de revolta» que por aí correria contra a greve dos camionistas de matérias perigosas, percebeu-se que o PS está em pânico. Não tanto com essa greve, que acontecerá ou não daqui a duas semanas, mas sim com a rede de tropelias em que o partido foi apanhado desde que recomeçaram os incêndios florestais e se revelou a completa incompetência do governo para lidar não só com o flagelo mas também com as vítimas dos fogos e com os seus representantes locais.

Por sua vez, o episódio das «golas» — que seriam caricatas se não fossem inflamáveis! – destapou em catadupa a série de negócios de toda a ordem realizados com o Estado central e as autarquias por familiares próximos dos membros do presente governo e das câmaras do PS: logo quatro de uma só vez a acrescentar aos casos anteriores! Perante isso, a reacção de um primeiro-ministro cada vez mais prepotente foi refugiar-se imediatamente junto da procuradora-geral nomeada há pouco tempo por ele próprio e pelo Presidente da República, o qual parece entretanto ter desaparecido em férias… O significado destas fugas a dois meses das eleições não é difícil de adivinhar!

Bem queria o primeiro-ministro alterar a legislação que ele próprio aprovara no século passado e que ainda regula as relações de ética económica entre membros do governo e familiares próximos mas não teve tempo. A cobertura da PGR destina-se a salvar, se possível, a pele dos governantes do PS apanhados em falta mas, sobretudo, a adiar para depois das legislativas do início de Outubro uma solução qualquer para todos os desastres que já estão a caminho.

Outro sinistro processo acerca do qual nenhum dos responsáveis passados e actuais diz uma palavra é o caso de Tancos, no qual já há vinte e cinco arguidos mas ainda não se sabe quais são as óbvias responsabilidades dos governantes. É difícil os eleitores não perguntarem a si próprios: o antigo ministro da Defesa não disse nada ao primeiro-ministro nem este ao PR?

Afinal, essas eleições que pareciam favas contadas e muitos julgavam dar ao PS a «maioria absoluta» que o autorizaria a fazer o que lhe desse apetecesse, arriscam-se a correr pior do que o líder e o partido esperavam. É isso que deverá ocorrer perante um descontrolo tão grande da situação política. Neste momento, boa parte do eleitorado irá abster-se e não se sabe quantos eleitores se defrontam com a ausência de oposição relevante a este regime implantado à custa de uma «geringonça» em desrespeito das normas de coexistência democrática.

Com efeito, o PSD e o CDS bateram no fundo e a razão é simples: nenhum dos seus líderes teve capacidade política para assumir a herança do governo Passos Coelho, graças ao qual o país conseguiu sobreviver à crise e já havia começado a recuperar antes das eleições de 2015 as perdas legadas pelo Sr. Sócrates. Em contrapartida, este último é mantido fora do tribunal graças ao sistema de dilação ad aeternum dos processos de justiça mais delicados para os prevaricadores bem conhecidos que levaram Portugal ao ponto a que chegámos…

Ao contrário do que clama a «esquerda indignada», o país não precisa do sector privado para haver «corrupção». Pelo contrário: é o actual sistema de clientelismo de Estado incarnado pelo PS que tem garantido o controle partidário sobre um aparelho de Estado omnipresente, bem como a multiplicação de empregos estatais, é isso que alimenta a corrupção generalizada, como se comprovou logo que rebentou a crise.

No dia em que conhecermos o grau de corrupção que reina entre o universo da política profissional e o aparelho de Estado (funcionalismo público e fornecedores), mancomunados como estão com um sector privado de bens não transacionáveis monopolista e desregulado, verificar-se-á que os políticos profissionais são os grandes responsáveis pela corrupção. Por seu turno, esta constitui, lamentavelmente, o caldo em que mergulham muitos dos que escolhem a política como profissão, mesmo se de início julgam tê-la escolhido por vocação.

Após seis anos de governo Sócrates mais quatro da «geringonça», dez ao todo!, as próximas eleições não serão apenas uma questão de políticas, desde a saúde e a educação até ao investimento público, para não falar das reformas constitucionais, mas sobretudo de ética. Com a interrupção da «austeridade» imposta pela dívida, o país não tem vivido outra coisa senão comprar votos, oferecer empregos e distribuir os «ganhos da corrupção». Se o PS conseguir manter o poder, como é capaz de acontecer graças à abstenção, a governação do país deixará de ser uma questão aberta de medidas políticas para se tornar uma questão fechada de moral pública: SIM ou NÃO!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

O fórum e o mercado /premium

Manuel Villaverde Cabral

As eleições serão marcadas pela crise da representação materializada pela abstenção maciça, enquanto os votantes efectivos se pautarão pelos benefícios que terão ou não recebido da "geringonça".

PS

"Vogliamo Tutto" ou… a campanha em marcha /premium

Manuel Villaverde Cabral

É falso que o esquelético crescimento económico actual esteja a "evoluir em contraciclo com a economia mundial", como se a nossa economia não dependesse da europeia desde a criação do Euro.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)