Incêndios

O PS não aprendeu nada com Pedrógão Grande /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
1.571

O primeiro-ministro, assim como depois de Pedrógão Grande e de 17 de outubro, falhou em entender que os incêndios são tragédias para assumir a falha do Estado – não para reclamar sucessos do governo.

“Em 2013, no Caramulo, depois de o CDS ter mudado a estrutura operacional da ANPC, um incêndio lavrou durante 10 dias”, relembrou esta semana João Galamba. Depois do que aconteceu no ano passado, com a desorganização na Proteção Civil a ter consequências fatais para a população portuguesa, o deputado acredita-se ainda no pedestal para falar de incêndios, criticando mudanças na ANPC antes da época dos fogos quando foi precisamente isso que o PS fez nas vésperas do verão de Pedrógão Grande. Além da habitual infantilidade de evocar um governo que acabou há três anos para defender um que vai a eleições para o ano, Galamba mostra outra coisa: o Partido Socialista não aprendeu nada com os incêndios de 2017.

Costa, com a propaganda ensaiada para as redes sociais, simulando um centro de comando de telefone em riste, “em contacto” com entidades que não existem e com um noticiário televisivo como referência, foi outro exemplo de como, para estes senhores, tudo serve para fazer política. “Monchique é a exceção que confirma a regra do sucesso”, congratulou-se o primeiro-ministro. A mim choca-me sempre como é que alguém que é filho e pai consegue ser capaz de tamanha insensibilidade. Elaborar alegorias entre desastres e “bolos de aniversário” não prova a tontice de António Costa; prova que nos toma a todos por tontos. Os cerca de 300 algarvios deslocados para fugir às chamas terão certamente uma perspetiva distinta, tanto das suas alegorias como da sua suposta “regra do sucesso”. O primeiro-ministro, assim como depois de Pedrógão Grande e de 17 de outubro, falhou em entender que os incêndios são tragédias para assumir a falha do Estado – não para reclamar sucessos do governo.

“É extraordinário ninguém ter morrido”, ouviu-se também. Mas quantos não perderam uma vida inteira? Eu, que vi Pedrógão de perto, lembro-me das aldeias evacuadas; das senhoras de molduras ao colo para não perderem os retratos de família, as fotografias de cabeceira a passarem de mão em mão. Eram os pertences que preferiam trazer quando forçadas a abandonar a sua casa. Nem roupa, nem mobília, nem nada de acessório. Eu lembro-me: do fumo, traziam as molduras. Traziam memória. Sinceramente, não tenho problema algum em reconhecer as adversidades climatéricas e a desorganização histórica que vai dos comandos da Proteção Civil à falta de meios dos bombeiros. Mas tenho elevada dificuldade em admitir que um primeiro-ministro falhe moralmente ao povo que serve. Relativizar a perda que se viveu esta semana em Monchique foi cometer essa falha. Sobretudo, foi repeti-la menos de um ano depois.

O PSD, por sua vez, lançou um novo design para os seus cartões de militante.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Revolução

2019 e a natureza das revoluções /premium

Sebastião Bugalho

Em 2015 Portugal saiu das legislativas num clima “polarizado” e “crispado”. Quatro anos depois todos os partidos com assento parlamentar, da esquerda à direita, acabaram a aprovar as metas de Bruxelas

PSD

A tentativa de riogicídio  /premium

Sebastião Bugalho

Montenegro oferece a Rio o que ele não tinha: uma causa mobilizadora. Os autocratas necessitam e beneficiam de um inimigo externo e Rio, que nunca quis ser anti-Costa, cultivará o anti-montenegrismo.

Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)