Incêndios

O PS não aprendeu nada com Pedrógão Grande /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
1.571

O primeiro-ministro, assim como depois de Pedrógão Grande e de 17 de outubro, falhou em entender que os incêndios são tragédias para assumir a falha do Estado – não para reclamar sucessos do governo.

“Em 2013, no Caramulo, depois de o CDS ter mudado a estrutura operacional da ANPC, um incêndio lavrou durante 10 dias”, relembrou esta semana João Galamba. Depois do que aconteceu no ano passado, com a desorganização na Proteção Civil a ter consequências fatais para a população portuguesa, o deputado acredita-se ainda no pedestal para falar de incêndios, criticando mudanças na ANPC antes da época dos fogos quando foi precisamente isso que o PS fez nas vésperas do verão de Pedrógão Grande. Além da habitual infantilidade de evocar um governo que acabou há três anos para defender um que vai a eleições para o ano, Galamba mostra outra coisa: o Partido Socialista não aprendeu nada com os incêndios de 2017.

Costa, com a propaganda ensaiada para as redes sociais, simulando um centro de comando de telefone em riste, “em contacto” com entidades que não existem e com um noticiário televisivo como referência, foi outro exemplo de como, para estes senhores, tudo serve para fazer política. “Monchique é a exceção que confirma a regra do sucesso”, congratulou-se o primeiro-ministro. A mim choca-me sempre como é que alguém que é filho e pai consegue ser capaz de tamanha insensibilidade. Elaborar alegorias entre desastres e “bolos de aniversário” não prova a tontice de António Costa; prova que nos toma a todos por tontos. Os cerca de 300 algarvios deslocados para fugir às chamas terão certamente uma perspetiva distinta, tanto das suas alegorias como da sua suposta “regra do sucesso”. O primeiro-ministro, assim como depois de Pedrógão Grande e de 17 de outubro, falhou em entender que os incêndios são tragédias para assumir a falha do Estado – não para reclamar sucessos do governo.

“É extraordinário ninguém ter morrido”, ouviu-se também. Mas quantos não perderam uma vida inteira? Eu, que vi Pedrógão de perto, lembro-me das aldeias evacuadas; das senhoras de molduras ao colo para não perderem os retratos de família, as fotografias de cabeceira a passarem de mão em mão. Eram os pertences que preferiam trazer quando forçadas a abandonar a sua casa. Nem roupa, nem mobília, nem nada de acessório. Eu lembro-me: do fumo, traziam as molduras. Traziam memória. Sinceramente, não tenho problema algum em reconhecer as adversidades climatéricas e a desorganização histórica que vai dos comandos da Proteção Civil à falta de meios dos bombeiros. Mas tenho elevada dificuldade em admitir que um primeiro-ministro falhe moralmente ao povo que serve. Relativizar a perda que se viveu esta semana em Monchique foi cometer essa falha. Sobretudo, foi repeti-la menos de um ano depois.

O PSD, por sua vez, lançou um novo design para os seus cartões de militante.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
297

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)