Mundo

Os novos bárbaros – uma cultura de destruição 

Autor
  • Paulo Rodrigues Ferreira

Que desejam estes novos bárbaros? Espalhar rancor, ressentimento, divulgar mentiras. Que todos sofram o mesmo que eles sofrem. Combater a globalização ou o cosmopolitismo, a que chamam "globalismo".

Os novos bárbaros que atacam este decadente império romano ocidental não são propriamente novos ou originais, alimentam-se de múltiplas fontes e estratégias caducas, e foram já identificados por autores de relevo, que sofreram na pele as consequências da barbárie. Estes novos bárbaros foram, por exemplo, descritos em Origens do Totalitarismo (1951), de Hannah Arendt, como desenraizados, fracassados, desajustados, pouco consistentes em termos intelectuais, propensos à disparate e à desinformação. Falamos, no fundo, da ralé, de gente que não encontrou um lugar na sociedade, que aspirou a uma fama ou relevância que não chegou. Ódio é o elemento mais saliente que a ralé tem para oferecer.

Já nos tempos de Arendt, estas pessoas provinham do nada, existiam nas sobras do mundo, e encontravam na figura de um ditador uma missão de vida, um sentido para o futuro. Ainda que não possuísse substância ou valor intelectual que lhe permitisse ascender a posições políticas ou comandar os destinos de uma nação, esta maralha ou vórtice de mediania impôs à Europa e ao mundo uma carga de destruição sem limites. Os desajustados do século XXI continuam a ser irrelevantes do ponto de vista do pensamento, nascem na crise, cultivam a crise. Donald Trump, esse fenómeno tão estranho para um europeu, que cada vez menos sentido faz para quem deseja uma realidade estável, abundante, tolerante, é suportado por estes novos bárbaros. Que desejam estes novos bárbaros? Espalhar rancor, ressentimento, divulgar mentiras. Que todos sofram o mesmo que eles sofrem. Dissertam sobre os males do “globalismo” — batendo-se contra a globalização ou o cosmopolitismo, a “direita alternativa” (alternativa é eufemismo orwelliano para mentira) americana, que vive destituída de maneiras e moral, já para não falar de senso comum, ridiculariza toda a nossa história contemporânea, como se guardasse uma solução para o futuro que mais ninguém conhece. Terminando com o terror do globalismo, perseguindo imigrantes, roubando direitos a minorias, professando o primado do macho alfa, a nova direita americana, liderada por personalidades intelectualmente inúteis, promete o regresso à grandeza, aos tempos do carvão, dos comboios a vapor, da produção metalúrgica. Promete o regresso ao sonho americano por via da expulsão do imigrante, dos cortes na educação e nos serviços de saúde, no fundo, da disseminação do ódio.

Também quando olhamos para o Brasil, ficamos perplexos com a existência de uma nova direita que jura a pés juntos que a escola retornará ao rigor se os marxistas forem expurgados da academia. E ao condenarem o marxismo académico, ao demonizarem as universidades públicas e os jornais — todos rotulados de marxistas — , estes novos agentes políticos e culturais baseiam-se em mentiras que não lhes custa repetir, porque para a turba a verdade não importa. A mentira é que as escolas sejam um bebedouro marxista, que a crise moral e de valores instaurada pelo PT esteja ligada às universidades e ao ensino. Então, propõe-se que as aulas comecem a ser filmadas para perceber se o professor dissemina ou não a mensagem comunista. Outra causa desta nova direita é o famoso “kit gay”. Através de uma inexistência — o suposto kit gay que teria como propósito a missionação da homossexualidade nas escolas —, aprofundou-se ainda mais um ódio irracional contra o academismo, contra a universidade.

Interessa a estes novos intelectuais, a estes novos actores políticos, mesmo aos mais irrelevantes, como Alex Jones, nos Estados Unidos, ou Alexandre Frota, no Brasil, que a confusão seja permanente. Que a população se sinta ressentida e revoltada, que viva em permanente desassossego, como eles próprios viveram. Qualquer posição contrária é descrita como “marxista”. Um artigo contra um Olavo de Carvalho, outro messias da destruição, só existe porque o autor que o escreveu é marxista, académico ou, golpe supremo, homossexual — a homossexualidade é para a ralé razão para que a pessoa esteja errada logo à partida. É, pois, caso para perguntar se há solução para esta crueldade crescente, esta profanação de valores tidos por certos no ocidente, esta tentativa de lavagem cerebral, de atirar ao mar qualquer nome consagrado que não sirva os propósitos do ressentimento.

Doutorado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa; Escritor e Professor de Literatura na Universidade da Carolina do Norte-Chapel Hill

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Índia

Populismos e finais felizes /premium

Diana Soller

Numa época em que os populismos têm uma presença cada vez mais forte nas democracias ocidentais, vale a pena revisitar o passado e outras geografias. Queremos o mesmo para nós?

Mundo

Mensagem filosófica aos tempos-imitações de Trump

António Rocha Martins

Serei eu, governante, tanto mais forte quanto mais amado for por uns e odiado por outros? A resposta é, enfaticamente, objetivamente, negativa, pois o ódio é incurável e procura sempre fazer mal.

Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)