Marcelo Rebelo de Sousa

Os selfies não chegam senhor Presidente /premium

Autor

Num país de partidos divididos, políticos enfraquecidos e um governo minoritário, Marcelo será o único com uma maioria política e um mandato forte. Nessa altura, beijos e selfies não serão suficientes

A discrição do Presidente da República foi uma das notas mais interessantes da recente “crise política”. Se fosse outro chefe de Estado, por exemplo Cavaco Silva, teria sido visto como um comportamento normal. Mas no caso de Marcelo Rebelo de Sousa, a descrição surpreende. A discrição não tem sido a nota dominante do actual inquilino de Belém. As boas almas talvez achem que o Presidente se comportou com a prudência que exige uma crise política. Poderá ser verdade, mas também se notou, pela primeira vez na presidência Marcelo, uma genuína preocupação. Desconfio que o Presidente percebeu que os bons tempos políticos estão a chegar ao fim. E o mau tempo, quando chegar, também chegará a Belém.

A vida do Presidente Marcelo tem sido um passeio alegre, cheio de abraços, beijos e selfies. Não nego que o Presidente tenha mérito em relação à popularidade que alcançou e que tem mantido, mas a política é muito mais do que um concurso de popularidade. Marcelo foi eleito depois de anos muito difíceis. O país precisava de descontrair e de se entreter. O crescimento económico ajudou, e muito, assim como as tréguas que as extremas esquerdas e os seus sindicatos resolveram dar ao governo do PS. Os portugueses estavam ávidos de festa e de entretimento. Foi isso que Marcelo lhes deu, e nenhum outro político entende as carências emocionais dos portugueses como o nosso Presidente monarca. Por vezes, Marcelo parece uma estrela pop em digressão pelo país, a conviver com os seus fãs. Mas como o fim da geringonça e com o regresso dos sindicatos às ruas, a “Marcelo tour” está também a chegar ao fim.

Ao contrário dos seus antecessores, Marcelo Rebelo de Sousa chegou a Belém sem um passado político executivo. Marcelo fez política toda a vida, conhece toda a gente e tem uma inteligência emocional fora do comum, uma qualidade muito importante. Mas nunca tinha exercido um grande cargo político; até a sua liderança do PSD foi curta e acabou mal. Mário Soares foi Primeiro Ministro antes de ser Presidente. Jorge Sampaio foi Presidente da Câmara de Lisboa. Cavaco foi igualmente PM, e durante uma década. Marcelo não foi nada disso, nem sequer exerceu qualquer cargo ministerial relevante. De certo modo, a eleição de Marcelo foi a vitória de um comentador político.

O que vem aí não será fácil. Até Outubro, haverá uma campanha eleitoral de quatro meses, e a radicalização da política portuguesa. O PS ganhará em Outubro, mas sem maioria absoluta. Depois das divergências sobre os professores, será difícil repetir a geringonça. O PSD (e o CDS) estarão em guerras internas. No meio da instabilidade política, a situação na Europa e no mundo não vai melhorar, e a economia portuguesa continua frágil, com níveis de endividamento elevados. Será um país de partidos divididos, políticos enfraquecidos e um governo minoritário. No meio disso tudo, Marcelo será o único com uma maioria política e com um mandato forte. Mais cedo ou mais tarde, o país vai olhar para ele. Mas nessa altura, beijos e selfies não serão suficientes.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
569

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)