Rádio Observador

Liberalismo

Para o menino Adam Smith, uma salva de palmas!

Autor
127

Adam Smith festejaria a 5 de Junho, se fosse imortal como as suas ideias, os seus 296 anos e por certo o faria na sua linguagem moderada, humana e carregada de empatia em relação aos menos afortunados

Num dos últimos episódios de “Gente que não sabe estar”, um programa que nos aligeira a melancolia dominical, Ricardo Araújo Pereira socorreu-se da mão invisível, o famoso conceito introduzido pelo escocês Adam Smith, para fazer troça (de uma forma educada e elevada, como é seu hábito) do novo partido Iniciativa Liberal (IL).

Oscar Wilde, que é sempre um activo valioso quando estamos a precisar de uma frase certeira, dizia que a única coisa pior do que falarem mal de nós é não falarem de nós, pelo que, aparentemente, a IL não tem motivos para ficar chateada. O problema, neste caso, é outro: para brincar com a IL, Araújo Pereira recorreu à filosofia de um senhor que já não está cá para se justificar, e que, por isso, merecia boas cabeças que o defendessem. No entanto, como estas não se chegam à frente, atrevo-me a tomar eu as eventuais dores do defunto.

Adam Smith festejaria hoje, 5 de Junho, caso fosse imortal como as suas ideias, o seu 296º aniversário. É provável que a vida eterna o fizesse feliz mas, como não há bela sem senão, teria ouvido da boca de Ricardo Araújo Pereira a seguinte descrição do seu pensamento: “o Estado que se borrife nos de baixo e não proteja ninguém, pois há uma mão invisível que milagrosamente vai pôr tudo bem no fim”. E estou certo de que teria ficado magoado com a injustiça.

Autores com a grandeza deste escocês setecentista, justamente tratado como uma das maiores figuras do liberalismo, são recorrentemente mais citados do que lidos, o que origina distorções significativas provocadas quer pelos seus detractores quer pelos seus admiradores. No caso de Adam Smith, é comum ouvirmos que advogava a abolição do Estado, o individualismo radical movido à base de egoísmo e ganância, e as virtudes de um capitalismo selvagem do estilo “salve-se quem puder”. Mas a realidade é bem diferente, como não podia deixar de ser quando estamos a falar de um notável iluminista que olhava para a economia como um capítulo da Filosofia Moral e que dedicou a primeira metade da vida ao estudo e defesa da empatia, um sentimento que considerava essencial para o funcionamento harmonioso de uma sociedade.

Não se pode (nem deve) negar a importância que Adam Smith atribui ao interesse próprio dos indivíduos no sucesso económico das nações, mas é falso que o seu pensamento estivesse com os “de cima” em prejuízo dos “de baixo”. Pelo contrário, toda a sua teoria em prol da cooperação voluntária entre os homens e da libertação da “sociedade comercial” do comando centralizado do Estado pretendia apenas facilitar o crescimento económico sustentado em benefício das classes médias e dos pobres. Benefício esse que seria também conquistado à custa dos privilégios dos aristocratas e dos monopolistas da época.

Sem qualquer intenção de exaustividade, salienta-se que o autor da Teoria dos Sentimentos Morais (1759) e da Riqueza das Nações (1776) defendeu nos seus livros a intervenção do Estado em várias áreas (não só na defesa e na justiça, mas também, por exemplo, nas obras públicas e na instrução do povo), dedicou numerosos parágrafos à necessidade de melhorar as condições de vida dos grupos sociais mais frágeis, abordou explicitamente a importância de uma distribuição justa do rendimento, e chegou, inclusive, a mostrar simpatia pelos impostos progressivos, uma posição que, em pleno séc. XVIII, era interpretada como um “estou-me a borrifar nos de cima”. Além disso, utilizou, em todos os seus escritos, uma linguagem moderada, humana e carregada de empatia em relação aos menos afortunados.

Se eu tivesse uma mão invisível, não a da teoria económica de Adam Smith mas uma de carne e osso, tinha-me aproveitado dela para dar um calduço a Ricardo Araújo Pereira durante aquele episódio. Mas com pouca força, claro, uma vez que estava sob o efeito da melancolia dominical e não ia danificar um dos remédios que tenho à disposição.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Dois liberalismos

Ricardo Mendes Ribeiro
217

Temos dois partidos nestas eleições que se dizem liberais e no entanto são muito diferentes: o Iniciativa Liberal e o Aliança. O que distingue estes liberalismos são os limites que colocam à liberdade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)