Rádio Observador

Global Shapers

Prisões de crianças

Autor
  • Afonso Mendonça Reis

E se as escolas, com recursos tão limitados, pudessem potenciar o crescimento dos seus alunos enquanto eles contribuem para o funcionamento da escola?

Enquanto os alunos passam pelo sistema de ensino tudo é altamente estruturado, previsível e sequencial. No entanto, quando os alunos acabam o ensino secundário ou o superior, de repente é-lhes pedido que sejam capazes de tomar decisões, serem criativos, capazes de trabalhar em equipa, etc. A atitude esperada em adulto, é tipicamente o contrário da que vivem no dia a dia no sistema de ensino. E se as escolas, com recursos tão limitados, pudessem potenciar o crescimento dos seus alunos enquanto eles contribuem para o funcionamento da escola? As nossas escolas não podem ser prisões, como me descreveram vários jovens.

Seria benéfico os alunos poderem ter mais protagonismo e responsabilidade na vida das suas escolas. No contacto que fui tendo com os níveis mais avançados do sistema de ensino, tenho constatado a grande dificuldade dos alunos em decidir e sentir legitimidade para contribuir para um espaço de que fazem parte e onde passam a maior parte do seu dia, a escola. Quando lançamos desafios aos alunos eles tipicamente hesitam, “a minha ideia pode mesmo avançar?”, “mas é suposto eu fazer alguma coisa na minha escola?”. De facto, para além de ir às aulas e cumprir os básicos, não é esperado muito deles.

Para os jovens poderem desenvolver a sua autonomia têm de poder ter protagonismo na sua educação, de tomar decisões e poder aprender com os resultados, sucesso ou não. E se os alunos também fossem responsáveis pela sua escola? E se os alunos servissem os seus colegas na cantina uma vez por mês? E se pintassem a escola ou desenhassem um novo espaço para tornar a escola mais ao seu gosto? Estes são processos aprendizagem que fomentam o desenvolvimento de autonomia e de cidadãos maduros e realistas. Os alunos aprendem a gerir este tipo de processos, a pedir autorização e fundamentar o pedido, mas depois são eles que fazem acontecer e que colhem os louros, exatamente como será na vida adulta. As escolas têm aqui uma fonte de inovação e mobilização para a resolução de desafios da comunidade escolar.

Assisti em Portimão a algumas iniciativas de alunos. Uma pretendia combater o estigma dos cursos profissionais na escola. Para tal desenvolveram conteúdos a explicar as vantagens dos cursos profissionais, e depois realizaram workshops para passar a mensagem aos colegas do 9º ano para que pudessem fazer uma escolha mais informada. Outro grupo procurou uma série de workshops para os preparar para a vida adulta, como cozinhar ou preencher os impostos. As vantagens são muitas porque os alunos valorizam o trabalho feito, e como resultado da sua interação com a direção, professores e funcionários vão também perceber como funciona a escola. Quando na sua vida identificarem oportunidades de melhoria, estarão mais confortáveis a implementar uma solução porque já tiveram experiências positivas no passado.

Estas abordagens entram num território onde é importante professores e encarregados de educação estarem alinhados, pois entra na educação que recebemos em casa. Apesar do primado da educação estar com os encarregados de educação, é na escola que os alunos passam a maior parte do seu dia.

Quando numa dinâmica perguntei aos alunos quanto tempo passam com os pais e com os professores, os alunos responderam cerca de oito horas por dia com os seus professores e entre uma a duas horas com os seus pais. A escola assume um espaço de socialização muito importante. De facto, é na escola que as crianças e os jovens passam a maior parte do seu dia.

Estas abordagens têm de ser em sintonia de pais e professores. A colaboração entre pais e professores nem sempre é fácil, mas pode ser muito importante. Através dos pais, os professores ficam a saber mais sobre os seus alunos, o que lhes permite definir uma estratégia de educação mais adaptada às suas aspirações e necessidades. A educação vive do equilíbrio e a interação entre a família e a escola.

Se formos envolvendo os alunos na própria gestão da escola, com um papel ativo e de responsabilidade, estamos a ajudá-los a descobrir como o mundo real funciona. Teremos com certeza escolas melhores que beneficiam das ideias e trabalho de todos. Pouco a pouco, quem deveria conseguir mandar em si próprio, de forma responsável, são os alunos, mas para isso é preciso treino, pais e professores para os ajudarem nesse percurso.

Afonso Mendonça Reis é fundador das Mentes Empreendedoras, Inspira o teu Professor, Global Teacher Prize Portugal e foi nomeado um Global Shaper em 2012 pelo Fórum Económico Mundial.

O Observador associa-se aos Global Shapers Lisbon, comunidade do Fórum Económico Mundial para, semanalmente, discutir um tópico relevante da política nacional visto pelos olhos de um destes jovens líderes da sociedade portuguesa. Ao longo dos próximos meses, partilharão com os leitores a visão para o futuro do país, com base nas respetivas áreas de especialidade, como aconteceu com este artigo. O artigo representa, portanto, a opinião pessoal do autor e não vincula os Global Shapers de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Quem manda aqui sou eu! /premium

Afonso Mendonça Reis
501

E se os alunos também fossem responsáveis pela sua escola? E se servissem os colegas na cantina uma vez por mês? E se pintassem a escola ou desenhassem um novo espaço para a tornar mais ao seu gosto?

Global Shapers

10 medidas para revolucionar o SNS

Francisco Goiana da Silva
626

De uma vez por todas, o financiamento tem de acompanhar as escolhas dos utentes do SNS. Nesse dia, teremos um sistema em que o utente é realmente quem manda. Há algo mais democrático do que isso?

Global Shapers

O urinol que é arte /premium

Pedro Líbano Monteiro
115

Em que medida pode um urinol ser arte? Porque razão um urinol há de ser menos arte que um Picasso? Foi esta problemática que levou muitos artistas, no século XX, a expor obras como uma cama por fazer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)