Crimes Sexuais

Ronaldo acima do bem e do mal /premium

Autor
1.011

O que é detestável no #MeToo é exactamente o mesmo vício que é detestável na rejeição liminar das acusações de abusos sexuais que ídolos nacionais são alvo: a indiferença pelos factos e pela verdade.

José Peseiro, treinador do Sporting, afirmou acerca da acusação de violação que paira sobre Cristiano Ronaldo que “sempre que temos hipótese de martelar alguém no nosso país, aproveitamos”, associando a cobertura do caso em Portugal à inveja de quem tem sucesso lá fora. Sobre o mesmo assunto, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa veio garantir que não muda “de ideias quanto ao papel desportivo e nacional que alguém que hoje está envolvido na justiça teve na vida do nosso país”. Por fim, o primeiro-ministro António Costa relembrou que Cristiano Ronaldo “muito tem honrado e prestigiado Portugal”. Estas reacções cometem um mesmo erro grave que mancha quem as pronunciou e as instituições que representam: respondem a uma acusação de violação com o reconhecimento profissional e social do atleta, misturando os assuntos e visando ilibar indirectamente Cristiano Ronaldo – como quem diz “uma pessoa assim não pode ser culpada”. Mas pode.

Não sou mais do que os outros – também eu tenho admiração pelo percurso profissional de Ronaldo, e também eu não sei se Ronaldo é culpado ou inocente da acusação de violação. O que sei é que o seu profissionalismo, as suas vitórias desportivas, os seus prémios individuais e o seu inestimável contributo para o prestígio nacional são completamente irrelevantes no processo de averiguação da veracidade das acusações a Ronaldo – não o tornam mais culpado nem mais inocente. E é particularmente difícil de aceitar que quem representa o Estado português opte por esquecer esta evidência face à popularidade do acusado. Até porque reconhecer essa evidência seria serviço público num país como Portugal que, goste-se ou não de o admitir, ainda é um país estruturalmente machista e primário nos assuntos sexuais e de respeito pelas mulheres.

Se tem dúvidas, ligue a televisão ou consulte as redes sociais de Cristiano Ronaldo, onde milhares deixaram mensagens de apoio ao bom estilo do “ela estava a pedi-las”. Sim, há uma fé popular na inocência de Cristiano Ronaldo que se explica pela idolatria, rejeitando sequer a hipótese de culpa e um olhar aos factos. Mas também há uma grande parte do debate que se faz meramente através do preconceito, sem qualquer respeito pela mulher queixosa, a quem à partida tantos suspenderam os direitos – a começar pelo mais básico de dizer ‘não’. Se este é um triste estado geral, pior fica quando as mais altas figuras do desporto e do Estado contribuem para este diluir de responsabilidades.

Um ano depois, os intensos debates provocados pelo movimento #MeToo nos EUA chegaram a Portugal, por via da sua maior estrela internacional. É bem a tempo de sublinhar que estes movimentos têm um lado positivo (a denúncia de abusos) e um lado negro e perigoso – a tendência para que este tipo de acusações de abuso sexual seja julgado em tribunais populares, onde se estabelece a culpa ou a inocência dos visados em função do seu estatuto social (o que aliás permite a instrumentalização destas acusações). Para cair em desgraça social não pode bastar uma acusação, da mesma forma que uma acusação não deve ser desprezada para salvaguardar o prestígio do visado. Ou seja, o que é detestável na fúria persecutória do #MeToo é exactamente o mesmo vício que é detestável na rejeição liminar das acusações de abusos sexuais que ídolos nacionais são alvo: a indiferença pelos factos e pela verdade. É essa indiferença que tem de ser combatida, reforçando a legitimidade da Justiça e do Estado de Direito. E são declarações como as de Marcelo Rebelo de Sousa que prejudicam esse combate.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)