Eleições Europeias

Será que podemos falar a sério da Europa? /premium

Autor
112

E agora? Mais integração ou encolhimento do euro-espaço? Federalismo ou soberania? Mais euro ou menos euro? Mais política nacional ou comunitária? Impostos europeus, exército europeu, bancos europeus?

Quero aqui deixar uma primeira nota de sobriedade e de seriedade, porque se aproximam eleições europeias e a União Europeia é uma coisa séria. E, desde logo, é uma coisa diferente da “Europa”, embora sejam palavras normalmente utilizadas de forma indistinta.

São coisas diferentes, radicalmente diferentes, e nessa diferença reside o fulcro da questão “europeia” actual. A Europa é velha de milénios e deve as suas marcas de uniformidade civilizacional fundamentais (pelo menos a ocidente) a Roma e ao império unificador da lei e da cultura dos romanos. A Europa nunca foi, no entanto, um território propenso a períodos extensos de paz militar e as tensões, disputas políticas e guerras sangrentas foram praticamente sempre uma constante, muito potenciadas pela política de alianças entre os Estados (tal como concebidos, segundo parâmetros modernos, sobretudo a partir do séc. XVI), tão fundamental quanto variável.

Esta política de alianças potenciou a polarização entre blocos e tornou, por isso, cada vez mais difícil o surgimento de guerras localizadas e imunes à interferência de terceiros – as consequências desta alteração de escala dos conflitos desembocou nas duas guerras mundiais que a primeira metade do século passado conheceu.

Pois bem. É conhecido o estado de devastação em que se encontrava o nosso continente em 1945: um território exaurido económica e espiritualmente e destroçado física e financeiramente, imediatamente retalhado entre as potências aliadas e dividido a meio em termos ideológicos e geo-políticos.

Em 9 de Maio de 1950, o Ministro dos Negócios Estrangeiros Francês, Robert Schuman, em concerto com Jean Monnet, propôs a instituição do controlo bilateral (Francês e Alemão) da produção de matérias-primas fundamentais para o desenvolvimento de qualquer esforço de guerra futuro, como carvão e o aço à cabeça.

Esta proposta visionária – de implicações económicas e políticas, em direcção à unificação e depois à integração europeia – veio a ser materializada no Tratado de Paris de 1951 (celebrado entre França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo), que instituiu a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço – a antecessora directa da Comunidade Económica Europeia, criada em 1957.

O objectivo primordial e mediato dos fundadores que mencionei acima foi, claro está, militar – tornar a guerra impossível na Europa. Esse propósito foi, para já, um êxito quase total, mas nada nos garante que assim continue a ser.

A União Europeia é, como é sabido, uma organização jovem, especialmente quando se faz um esforço de contextualização histórica – e, na verdade, a sua massa crítica não é ainda suficiente para que possamos descansar à sombra da robustez das suas instituições, da lucidez das suas lideranças ou da profundidade das suas políticas.

Bem pelo contrário! Estamos hoje confrontados com problemas no seio da União Europeia que contêm em si mesmos a semente da destruição do edifício construído sobre as ideias de Schuman e Monnet.

A insatisfação galopante dos cidadãos, o sentimento de distância de Bruxelas e de distanciamento dos políticos e a crise recente mal e tardiamente atalhada expuseram o espaço europeu a toda uma sorte de novos desafios e ameaças cujo desfecho está longe de ser claro: o Brexit, os nacionalismos e proto-fascismos, a esquerda extremista e nacionalizadora, a desarmonia bancária e fiscal, a falta de sintonia na abordagem às migrações, as tensões geo-estratégicas nas fronteiras a leste, etc., etc., etc.

E agora? Mais integração ou encolhimento do euro-espaço? Federalismo ou soberania? Mais euro ou menos euro? Mais política nacional ou mais política comunitária? Impostos europeus, exército europeu, bancos europeus?

Por cá, têm-nos chegado e são relativamente conhecidas as visões de alguns políticos que intervêm na ágora Europeia e que têm pensamento próprio com profundidade, denotando cultura e reflexão e contendo propostas para discussão sobre o presente e sobre o futuro, concorde-se ou discorde-se.

Destaco os nomes de Carlos Moedas, Paulo Rangel, José Manuel Fernandes, Ana Gomes e Francisco Assis (estes dois últimos, por sinal, renegados pelo PS), que muito têm contribuído para a informação dos cidadãos, para transmitir pontos de vista construtivos e palpáveis sobre a União Europeia e, por isso mesmo, na minha opinião, para a diminuição da abstenção.

E António Costa? E o Partido Socialista? E aquele que se diz o mais europeu de todos os partidos? O que pensa? O que quer? O que propõe? O que defende? O que abomina? O que anseia?

Não sei. Não sabemos. Sabemos as quatro coisas que propõe o solitário e incógnito funcionário Pedro Marques, que no comício de arranque da sua proto-candidatura, amplamente difundido pelas televisões e dirigindo-se ao cabeça-de-lista-de-facto às eleições europeias, as anunciou com enlevo:

Costa/avança/com toda a confiança! (1)
Costa/avança/com toda a confiança! (2)
Costa/avança/com toda a confiança! (3)
Costa/avança/com toda a confiança! (4)

Quanto ao resto, não sabemos nada.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Por este Rio abaixo! /premium

Luís Reis
303

Rio autopromoveu-se para além do limiar da sua incompetência, mas não para além do seu ego. O Princípio de Peter pode ser agora rebaptizado: o Princípio de Rio. Esse Princípio será também o seu fim.

PS

Quando a cabeça não tem vergonha o povo é que paga

Luís Reis
771

Para quando o financiamento público para a Liga dos Amigos dos Peixinhos de Aquário? Para a Associação dos Protectores das Pedras da Calçada? Para a Fundação Pela Dignidade Da Casca De Cebola?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)