Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É terrível sermos acusados de uma coisa que não cometemos. É quase tão terrível sermos os únicos acusados de uma coisa que muitos cometem. Sabem a sensação de injustiça quando, numa rua repleta de carros acotovelados em cima do passeio, só o nosso tem o papel da multa no pára-brisas? Deve ser o que sentiu o sr. Filipe Santos Costa ao ver-lhe retirada a carteira de jornalista, pela Comissão responsável, devido a ligações profissionais ao Partido Socialista.

Pelos vistos, o infeliz sr. Filipe, que não conheço, comete há meses um “podcast” para o “site” do PS, onde entrevista figuras do PS e é pago pelo PS. Ouvi dez minutos do programa de estreia, em que surpreendentemente o convidado foi António Costa, e achei piada: chamar àquilo prestação de serviços é um eufemismo. Trata-se, prática e involuntariamente, de uma rábula cómica, na qual o entrevistador finge uma isenção que não tem e o entrevistado finge uma seriedade que não se justifica. É o humor velhinho do “ainda bem que me faz essa pergunta”, envelhecido para o “ainda bem que me fez essas perguntas todas”. Propaganda pura, mofo puro.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.