Drones

Drone vai entregar comida ao último habitante de uma aldeia em Penela

2.625

O último habitante de Podentinhos vai passar a receber ajuda alimentar através de um drone. Trata-se de um projeto experimental para criar redes de drones que façam entregas sem ser pilotados.

O drone está adaptado para transportar uma encomenda e não precisa de ser controlado. Um software define o percurso e o drone segue sozinho

Connect Robotics

Joaquim Reis, com mais de 70 anos, é o último habitante da aldeia de Podentinhos, no município de Penela, em Coimbra, mas vai ser o primeiro a fazer parte de um projeto inovador. A ajuda alimentar que recebe diariamente da Santa Casa da Misericórdia de Penela vai passar a chegar de drone. E não é um drone qualquer. Este não precisa de ser permanentemente controlado. É dar a ordem e ele segue sozinho.

Trata-se de um projeto experimental, desenvolvido pela Connect Robotics, a trabalhar a partir do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, e que encontrou em Penela a oportunidade para começar os testes. “Nós disponibilizámo-nos para proporcionar o teste à empresa, porque esta é a nossa filosofia em Penela. Queremos possibilitar o desenvolvimento de ideias para aumentar a qualidade de vida das pessoas, especialmente inovações ligadas ao mundo rural”, explica ao Observador Pedro Ferreira, da Câmara Municipal de Penela.

O teste era para ter sido o de um drone adaptado para distribuir encomendas, mas o município sugeriu que se “adaptasse a um caso social”, e pediu “à Santa Casa da Misericórdia que identificasse um caso”.

60%

Uma entrega através desta rede de drones representa uma poupança de 60% em relação a uma entrega normal, “por exemplo com um estafeta”, assegura Raphael Stanzani. “Não é preciso ter uma pessoa dedicada ao drone”, explica o responsável da Connect Robotics, acrescentando que “um operador pode cuidar de seis drones”, bastando “colocar bateria e a carga, dar o comando para iniciar o voo e pode passar para o próximo”. “É como se o mesmo estafeta levasse seis motas ao mesmo tempo”, exemplifica.

E o caso encontrado foi o de Joaquim Reis, um septuagenário que “é o último dos habitantes” da aldeia de Podentinhos, a cerca de três quilómetros de Penela. “De carro são 15 minutos, mas de drone são dois“, esclarece Pedro Ferreira, sublinhando que o teste pretende avaliar qual o impacto económico da substituição do transporte rodoviário. “Se a solução for eficiente para a Santa Casa, será uma decisão deles continuar com o projeto”, explica, admitindo que a tecnologia poderá estender-se a outras situações semelhantes. “A empresa está a testar o produto antes de o colocar no mercado”, acrescenta.

A ideia inicial, explica ao Observador Raphael Stanzani, da Connect Robotics, “era fazer um drone generalista” com um “software para voar sem ser pilotado”. Quem quisesse, “comprava o nosso drone e podia usá-lo para segurança, para filmagens, etc”. No entanto, era difícil de financiar, porque “o mercado está direcionado para aplicações específicas”, admite Stanzani. Até porque, como salienta o responsável da empresa, “a parte da automação é o mais importante do projeto”, que não é destinado à captura de imagens. “Nas filmagens, o valor está no operador, que sabe para onde apontar o drone, mas nas entregas é apenas o percurso, que não precisa de criatividade humana”, explica Stanzani.

Admitindo que a entrega de comida através de um drone pode contribuir para o maior isolamento das pessoas, Raphael Stanzani defende que a tecnologia, em termos sociais, será sobretudo útil se for necessário fazer chegar medicamentos a uma habitação pouco acessível ou demasiado longe. “Vejo maior potencial em entregas urgentes em locais de difícil acesso“, sublinha.

O primeiro teste, com Joaquim Reis, deve arrancar no próximo mês, e a Connect Robotics já tem perspetivas para o futuro do projeto. “Já estamos em contacto com outra empresa, que está interessada em utilizar os nossos drones. Será já o segundo cliente”, avança Raphael Stanzani, acrescentando que a empresa também está a pensar nos operadores logísticos como potenciais clientes. “Esperámos que o projeto ficasse mais maduro, e agora podemos dar continuidade a alguns contactos”, afirma. A ideia será começar por ver se é exequível “fazer uma entrega entre dois armazéns” de superfícies comerciais.

O grande desafio é a regulamentação. “Podemos fazer inúmeros testes com clientes, mas temos de ter em consideração que é necessário respeitar a regulamentação”, explica o responsável da empresa. Até agora, a Connect Robotics tem recebido autorização para os voos experimentais, mas “para negociar com um cliente, por exemplo, uma rede de 100 drones, é necessário haver outro tipo de responsabilidades”.

Quanto a Joaquim Reis, “achou interessante, mas está na expectativa”, garante Pedro Ferreira. É que o primeiro voo de entrega de comida ainda não aconteceu. “Ele apenas viu um voo de teste, ainda sem nada”, sublinha o responsável da autarquia, “mas a primeira reação foi positiva”.

Os voos de entrega de comida não irão substituir, contudo, a ida das equipas da Santa Casa a Podentinhos, já que o apoio prestado pela instituição inclui também a limpeza da habitação e outros serviços que exigem a presença física. Mas como Joaquim “tem alguma mobilidade”, as equipas, “em vez de irem lá presencialmente todos os dias, podem ir só dois ou três dias durante a semana, por uma questão de poupança”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site