Logo Observador
Drones

Drone vai entregar comida ao último habitante de uma aldeia em Penela

2.625

O último habitante de Podentinhos vai passar a receber ajuda alimentar através de um drone. Trata-se de um projeto experimental para criar redes de drones que façam entregas sem ser pilotados.

O drone está adaptado para transportar uma encomenda e não precisa de ser controlado. Um software define o percurso e o drone segue sozinho

Connect Robotics

Joaquim Reis, com mais de 70 anos, é o último habitante da aldeia de Podentinhos, no município de Penela, em Coimbra, mas vai ser o primeiro a fazer parte de um projeto inovador. A ajuda alimentar que recebe diariamente da Santa Casa da Misericórdia de Penela vai passar a chegar de drone. E não é um drone qualquer. Este não precisa de ser permanentemente controlado. É dar a ordem e ele segue sozinho.

Trata-se de um projeto experimental, desenvolvido pela Connect Robotics, a trabalhar a partir do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, e que encontrou em Penela a oportunidade para começar os testes. “Nós disponibilizámo-nos para proporcionar o teste à empresa, porque esta é a nossa filosofia em Penela. Queremos possibilitar o desenvolvimento de ideias para aumentar a qualidade de vida das pessoas, especialmente inovações ligadas ao mundo rural”, explica ao Observador Pedro Ferreira, da Câmara Municipal de Penela.

O teste era para ter sido o de um drone adaptado para distribuir encomendas, mas o município sugeriu que se “adaptasse a um caso social”, e pediu “à Santa Casa da Misericórdia que identificasse um caso”.

60%

Uma entrega através desta rede de drones representa uma poupança de 60% em relação a uma entrega normal, “por exemplo com um estafeta”, assegura Raphael Stanzani. “Não é preciso ter uma pessoa dedicada ao drone”, explica o responsável da Connect Robotics, acrescentando que “um operador pode cuidar de seis drones”, bastando “colocar bateria e a carga, dar o comando para iniciar o voo e pode passar para o próximo”. “É como se o mesmo estafeta levasse seis motas ao mesmo tempo”, exemplifica.

E o caso encontrado foi o de Joaquim Reis, um septuagenário que “é o último dos habitantes” da aldeia de Podentinhos, a cerca de três quilómetros de Penela. “De carro são 15 minutos, mas de drone são dois“, esclarece Pedro Ferreira, sublinhando que o teste pretende avaliar qual o impacto económico da substituição do transporte rodoviário. “Se a solução for eficiente para a Santa Casa, será uma decisão deles continuar com o projeto”, explica, admitindo que a tecnologia poderá estender-se a outras situações semelhantes. “A empresa está a testar o produto antes de o colocar no mercado”, acrescenta.

A ideia inicial, explica ao Observador Raphael Stanzani, da Connect Robotics, “era fazer um drone generalista” com um “software para voar sem ser pilotado”. Quem quisesse, “comprava o nosso drone e podia usá-lo para segurança, para filmagens, etc”. No entanto, era difícil de financiar, porque “o mercado está direcionado para aplicações específicas”, admite Stanzani. Até porque, como salienta o responsável da empresa, “a parte da automação é o mais importante do projeto”, que não é destinado à captura de imagens. “Nas filmagens, o valor está no operador, que sabe para onde apontar o drone, mas nas entregas é apenas o percurso, que não precisa de criatividade humana”, explica Stanzani.

Admitindo que a entrega de comida através de um drone pode contribuir para o maior isolamento das pessoas, Raphael Stanzani defende que a tecnologia, em termos sociais, será sobretudo útil se for necessário fazer chegar medicamentos a uma habitação pouco acessível ou demasiado longe. “Vejo maior potencial em entregas urgentes em locais de difícil acesso“, sublinha.

O primeiro teste, com Joaquim Reis, deve arrancar no próximo mês, e a Connect Robotics já tem perspetivas para o futuro do projeto. “Já estamos em contacto com outra empresa, que está interessada em utilizar os nossos drones. Será já o segundo cliente”, avança Raphael Stanzani, acrescentando que a empresa também está a pensar nos operadores logísticos como potenciais clientes. “Esperámos que o projeto ficasse mais maduro, e agora podemos dar continuidade a alguns contactos”, afirma. A ideia será começar por ver se é exequível “fazer uma entrega entre dois armazéns” de superfícies comerciais.

O grande desafio é a regulamentação. “Podemos fazer inúmeros testes com clientes, mas temos de ter em consideração que é necessário respeitar a regulamentação”, explica o responsável da empresa. Até agora, a Connect Robotics tem recebido autorização para os voos experimentais, mas “para negociar com um cliente, por exemplo, uma rede de 100 drones, é necessário haver outro tipo de responsabilidades”.

Quanto a Joaquim Reis, “achou interessante, mas está na expectativa”, garante Pedro Ferreira. É que o primeiro voo de entrega de comida ainda não aconteceu. “Ele apenas viu um voo de teste, ainda sem nada”, sublinha o responsável da autarquia, “mas a primeira reação foi positiva”.

Os voos de entrega de comida não irão substituir, contudo, a ida das equipas da Santa Casa a Podentinhos, já que o apoio prestado pela instituição inclui também a limpeza da habitação e outros serviços que exigem a presença física. Mas como Joaquim “tem alguma mobilidade”, as equipas, “em vez de irem lá presencialmente todos os dias, podem ir só dois ou três dias durante a semana, por uma questão de poupança”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Futuro

O meu trabalho tem sentido? Importante é perguntar

Luis Lobo Xavier
256

Percebi que muitas vezes ter um trabalho bom e confortável nos condiciona e não nos deixa tentar ir mais longe. Portanto, se queria procurar esse “Mais”, tinha que sair da minha zona de conforto.

Atentados de Bruxelas

Um ano de cinzas

Alexandre Krauss

Não consigo passar o terminal do aeroporto de Bruxelas sem estar em alerta para algo suspeito. Mas algo mais mudou em mim: nunca foi tão forte o meu empenho em ajudar a reformar o Projecto Europeu.