Logo Observador
Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo. “2019 será o ano da avaliação deste ciclo político”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta segunda-feira que 2018 será "o ano dos congressos partidários" e 2019 "o ano da avaliação deste ciclo" político.

O chefe de Estado falava no final de uma visita a uma exposição sobre a presença judaica em Portugal, na Torre do Tombo

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta segunda-feira 2018 será “o ano dos congressos partidários” e 2019 “o ano da avaliação deste ciclo, que corresponde a um mandato parlamentar”.

Segundo o chefe de Estado, “o tempo posterior às eleições autárquicas” deste ano será “um tempo marcado por congressos dos partidos, num ano em que não haverá eleições, seguido de um ano profundamente eleitoral que é 2019, ano de eleições europeias e eleições legislativas”.

O chefe de Estado falava no final de uma visita a uma exposição sobre a presença judaica em Portugal, na Torre do Tombo, em Lisboa, em declarações aos jornalistas, que o questionaram sobre a sua tese de que há um ciclo político que termina com as eleições autárquicas.

Na resposta, Marcelo Rebelo de Sousa frisou que “o Presidente não marca eleições autárquicas, nem interfere nas eleições autárquicas”, aliás, “tem mesmo muito cuidado em não interferir”, escusando-se por isso a comentar o que se passa nesse ato eleitoral. Em seguida, defendeu que “cada ano corresponde a um tempo político” e descreveu sumariamente o anterior, o atual e os dois próximos anos, em termos de evolução económica e financeira e em termos políticos.

No seu entender, “2016 foi o tempo político da consolidação das finanças do país e da consolidação do sistema bancário, do começo da consolidação”. “Este ano é o ano do arranque para o crescimento, desejamos todos, e o ano da realização de eleições autárquicas e do fim da consolidação do sistema bancário”, prosseguiu.

“O ano que vem será o ano dos congressos partidários, espero que o ano da afirmação do crescimento económico. E o ano seguinte será o ano da avaliação deste ciclo, que corresponde a um mandato parlamentar e, ao mesmo tempo, ao fim de um mandato europeu”, completou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terceira Idade

A peste grisalha

Paulo de Almeida Sande

A velhice na sociedade actual, que nos chama velhos aos 40 e nos condena a um longo ostracismo até que a vida natural em nós se apague, 50 ou 60 anos mais tarde, é um longo, lento e doloroso naufrágio