Maioria de Esquerda

Estado Social: pior que a troika é possível

Autor
2.586

Estamos a desperdiçar uma oportunidade de salvar o Estado Social. Tantos casos em que os serviços públicos falham são um alerta. Há pior que a troika.

António Costa não planeou com certeza o que se está a passar. No projecto ideal, nesta altura já teria tido eleições e a maioria absoluta, que lhe permitiria governar com as políticas que melhor servem os interesses do país e do Estado social. Mas, infelizmente para todos nós, começamos neste momento a receber os presentes envenenados de uma política de distribuição de dinheiro à custa dos serviços públicos, num Estado já de si muito frágil.

Quem não acreditou nos alertas que temos vindo aqui a fazer começa agora a ver, na prática, o preço da aceleração na reposição dos rendimentos, sem qualquer reforma do Estado, num país que não ficou rico de repente. Era óbvio que para dar por um lado, à velocidade a que se deu, tinha de faltar do outro, ou a outros. Na frieza do cálculo político, os outros são sempre aqueles que não têm voz, que não se conseguem ver.

Os casos multiplicam-se.

O ano de 2017 ficará durante muito tempo na memória como o mais mortífero por causa dos incêndios. Mais de cem pessoas morreram entre a tragédia de Pedrogão e a de 15 de Outubro. Há quem diga que aconteceu com este Governo mas poderia ter acontecido com outro qualquer. A desorganização da floresta tinha traçado este destino, argumenta-se. A probabilidade é elevada. Mas se a tragédia de Pedrogão pode acolher esse argumento – embora os relatórios revelem que se podia ter feito mais –, já é muito difícil justificar o que aconteceu a 15 de Outubro sem referir a falta de meios, seja ela ditada por incompetência na antecipação das necessidades face às previsões meteorológicas, seja por razões de poupança financeira.

O surto de legionela no Hospital S. Francisco Xavier com duas mortes e com a polícia a interromper os velórios para proceder a autópsias que o hospital não fez, aparentemente por falta de comunicação com o Ministério Público, é o mais recente exemplo do défice de investimento em segurança e manutenção assim como do grau de desorganização a que chegámos. Quem é responsável por isto tudo ter acontecido? Ninguém.

Como ninguém é responsabilizado pelo caso de Tancos. Como se não bastasse o que aconteceu – instalações militares deixarem-se roubar – assistimos incrédulos a uma conferência de imprensa do chefe de Estado-Maior General do Exército, o general Rovisco Duarte, a revelar que veio uma caixa a mais, de petardos, no material encontrado – e ri-se a exemplificar o tamanho da caixa, considerando natural que tal aconteça. Porque chegamos a este ponto também nas Forças Armadas? Mais do que falta de recursos, o caso de Tancos é especialmente revelador da desresponsabilização geral, assumida com a maior das naturalidades quer do ministro como das chefias militares.

São três casos terríveis, imagem aterradora do estado em que estamos à qual se juntam outros pequenos sintomas. Na saúde acumulam-se dívidas e suspeitas de limpeza de ficheiros para que não se saiba exactamente a dimensão das listas de espera, como denunciou o Tribunal de Contas. Nos transportes públicos, vamos conhecendo problemas vários. Nas escolas vai havendo denuncias de falta de pessoas ou de alimentação nas cantinas com falta de qualidade. O Estado parece estar a desfazer-se.

Pior ainda é o que pode estar para chegar. Há dias num debate no Expresso da Meia Noite, David Justino, coordenador da moção de Rui Rio à liderança do PSD, dizia que neste momento ninguém quer falar do problema da Segurança Social, finge-se que não existe. Foi isso mesmo que se fez no debate na generalidade do Orçamento do Estado. O ministro do Trabalho e da Solidariedade Vieira da Silva tem a obrigação de saber que temos um problema de sustentabilidade nas pensões de reforma mas, apesar disso, achou por bem alinhar no populismo das acusações ao Governo de Pedro Passos Coelho de querer “cortar” 600 milhões nas pensões, quando sabe que não é disso que se trata.

Se nada se fizer, caminhamos a passos largos para uma sociedade ainda mais desigual. Terão acesso à saúde, a dinheiro na velhice e à educação os que tiverem muito dinheiro.

Estamos a perder tempo, a desperdiçar a oportunidade do crescimento da economia, da descida do desemprego e dos juros historicamente baixos para salvarmos o Estado que nos garante apoio na doença, no desemprego e na velhice e que dá a todos iguais oportunidades de educação. Pior que a troika é possível.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Saúde

Menos ADSE, mais desigualdade

Helena Garrido
395

A guerra entre o Ministério da Saúde e o sector privado da saúde por causa da ADSE está feia. O risco que corremos é agravar ainda mais a desigualdade no acesso aos serviços de saúde.

Saúde

Reclamem, por um SNS melhor.

Fernando Leal da Costa
283

É patético, ridículo, continuar a ouvir, dois anos de Governo já vencidos, a esquerda atribuir o subfinanciamento agravado e o aumento galopante das dívidas hospitalares aos cortes do Governo PSD-CDS.

Terceira Idade

Quando for velho, quero ser gato

Domingos Freire de Andrade
985

Quererá a maioria de esquerda dizer, ao reprovar as propostas de protecção dos idosos e ao aprovar o reforço do estatuto dos animais de estimação, que estes têm prioridade face aos nossos mais velhos?

Maioria de Esquerda

Queijo fundido

Luís Reis
606

Ou muito me engano, ou o político astuto, ambicioso e corajoso que é Costa corre mesmo o risco de levar no topo do seu curriculum, que exibirá no alto-comissariado para onde for, o Siresp e o Resgate.

Assembleia Da República

Arquitectos por decreto

Cláudia da Costa Santos

Se atualmente a “execução de projectos de Arquitectura” é o único acto reservado dos arquitectos, até onde se pretende levar esta cruzada? O objetivo é extinguir de vez a profissão de arquitecto?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site