458kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Fogos já mataram 107 pessoas desde junho de 2017. Desde 2000 morreram 208 pessoas

Este artigo tem mais de 4 anos

Este domingo morreram 41 pessoas, mas o incêndio de Pedrógão Grande foi o mais mortífero: 64 mortes. Desde então, já morreram, pelo menos, 107 pessoas atingidas pelos fogos.

i

Miguel A. Lopes/LUSA

Miguel A. Lopes/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A fase Charlie — a mais crítica de incêndios florestais — terminou a 30 de setembro, começando a fase Delta no dia seguinte. Tal não impediu os incêndios que deflagraram este domingo na zona Centro e Norte do país. Até ao momento, morreram 41 pessoas nos últimos dois dias — entre elas, um bebé de um mês –, nos fogos que deflagraram. Um dos dias foi mesmo considerado “o pior dia do ano de incêndios”, devido ao número recorde de ocorrências.

Só não foi o pior dia no que diz respeito a vítimas. O número de mortos no incêndio de Pedrógão Grande em julho é aquele que vai ficar associado ao verão de 2017: 64 mortos. Houve ainda uma mulher que morreu atropelada ao tentar fugir das chamas, mas não foi incluída na lista oficial de mortes.

Antes dos incêndios deste domingo, entre 2000 e 2017, tinham morrido 165 pessoas, de acordo com o relatório da comissão técnica independente que analisou os incêndios na zona centro, em junho. Com a nova contabilização, nos últimos 17 anos, já morreram 208 pessoas.

Pedrógão Grande. Os melhores trabalhos da tragédia que matou 64 pessoas

Só estes incêndios atingem os 99 mortos. Mas este número não se fica por aqui. Ainda este mês um homem de 73 anos foi encontrado morto na zona onde deflagrou um incêndio na freguesia de Santo Estevão e Moita, no concelho do Sabugal. O homem foi encontrado morto por uma patrulha num local para onde se tinha dirigido com um trator.

No final de agosto, um piloto morreu carbonizado, quando o helicóptero de combate ao fogo que pilotava caiu em Cabril, no concelho de Castro Daire, durante o combate ao incêndio na localidade de Grijó. O helicóptero caiu no momento em que ia carregar água, mas entrou em contacto com cabos de alta tensão, entrou em combustão e caiu.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.