Politicamente Correto

Eu sou Gentil Martins!

Autor
24.541

Nem todos falam como Gentil Martins, poucos hoje dizem o que pensam. Vivemos no tempo onde este fascismo higiénico travestido de liberdade intimida, condiciona e persegue por delito de opinião.

Quando nasci, o médico Gentil Martins salvou-me a vida. Cresci, estudei, investiguei e formei-me em Psicologia Clínica, trabalhando no maior hospital do país há já 20 anos.

Quis a vida que ao longo do meu percurso profissional e académico tenha vindo a conhecer o Homem e o Médico cirurgião pediátrico Gentil Martins. Educadíssimo, de fino trato, culto e com sentido de humor, está sempre activo, constantemente preocupado com os seus doentes, com o seu semelhante e sempre na busca da vanguarda da medicina. Passei a considerá-lo um amigo e é com esta declaração de interesses que escrevo sobre o brutal ataque de que foi alvo pelos ditadores da opinião única do costume.

Gentil Martins sempre foi livre, livre como se deve ser nas suas opiniões, na sua profissão, nas suas relações, no respeito absoluto pela opinião do outro mesmo quando oposta à dele. Porque vêm Isabel Moreira e companhia apelar à queixa, à censura, à mordaça!? Se está tão certa da sua verdade porque não se abre à livre e salutar discussão? Porque se importa tanto com opiniões contrárias? Porque não convida, ela e as médicas de serviço que se queixaram à Ordem, Gentil Martins ou outros para debater o assunto?

Como psicólogo tenho também sido ao longo dos anos perseguido pelas minhas opiniões, sempre fundamentadas, por aqueles que se arrogando arautos da liberdade e da democracia tentam calar e condicionar todos os que pensam e emitem opinião diferente da sua. Fui alvo de queixas na Ordem dos Psicólogos, perseguiram-me no meu local de trabalho, sofri injúrias e ameaças físicas, até de morte. É gente desta, “tolerante”, que acusa uma das maiores referências da Medicina.

Vivemos no tempo onde este fascismo higiénico travestido de liberdade intimida, condiciona e persegue por delito de opinião. E para isto lá estão os habituais “cabos da guarda” que são a confirmação que faltava sobre a absoluta ciência da sua absoluta ignorância!

Veja-se, além do meu caso, tantos outros como o caso Vilaça e as recentes linhas de orientação da Ordem dos Psicólogos sobre como intervir junto de pessoas LGBT. Qualquer profissional de saúde deve guiar-se pelo interesse do seu paciente e estas tentativas de limitar e controlar a actividade clínica e assistencial só redundam em prejuízo das pessoas.

Nem todos falam como Gentil Martins, poucos hoje dizem o que pensam. Tenho ouvido de variadíssimos colegas desabafos de que têm medo de falar, de se exprimir, de não quererem problemas.

Estou totalmente solidário com Gentil Martins! Que me abram um inquérito a mim também! A ditadura do politicamente correcto e a polícia política dos costumes do vale tudo continuam a querer formatar o povo, a condicionar a livre opinião e a quererem tornar normal o que não é normal e é menos bom (importa conhecer a definição de norma e de bom).

Não está em causa, nem nunca esteve, o respeito pelas pessoas independentemente da sua orientação sexual. Uma coisa é aceitar a homossexualidade outra é fomentar e impor. De facto, a norma nos humanos é a heterossexualidade e não a homossexualidade. De facto, Ronaldo ao privar os filhos de uma mãe está a cometer um acto reprovável.

Gentil Martins tem razão em tudo!

Especialista em Psicologia Clínica

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Afinal, a Democracia Cristã está viva

Abel Matos Santos
136

A Democracia Cristã é radicalmente uma proposta de futuro, aquela que melhor conseguirá fazer do CDS um partido confiável e gerador de soluções centradas na resolução dos problemas das pessoas.

Politicamente Correto

Chamem a polícia…

Paulo de Almeida Sande
318

Usam-se as bandeiras da indignação e mobilizam-se os exércitos dos que, em rebanho, se juntam aos defensores da causa, seja ela qual for. Há uma expressão para isso e é “mais papista do que o Papa”.

Assédio Sexual

O sexo politicamente incorrecto

Rui Ramos
375

O alegado comportamento de Harvey Weinstein e Kevin Spacey só é possível numa cultura onde o assédio sexual pôde passar por um “pecadilho” menor. E a chamada "libertação sexual" contribuiu para isso. 

Politicamente Correto

Os autocarros do amor

Alberto Gonçalves
1.284

Felizmente, à revelia da propaganda que tanta “vender” os transportes públicos a título de amigos do ambiente ou da circulação urbana, há jornalistas sem medo de os denunciar como os amigos do deboche

Politicamente Correto

O homem unidimensional

Paulo Tunhas

Basta ler aqui e ali alguma prosa que se produz para se perceber que por detrás da encenada sofisticação está a mais fanática regressão à unidimensionalidade do pensamento e à crença mágica primitiva.

Educação

O enjoo do anti-‘politicamente correto’

Gabriel Mithá Ribeiro
238

O uso e abuso do termo ‘eduquês’ – por leviandade, ignorância ou falta de coragem – responsabiliza os críticos por terem deixado escapar uma rara oportunidade histórica de mudar o destino coletivo.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site