Logo Observador
PCP

Outra vez o social-fascismo?

Autor
495

Os ataques do PCP ao Bloco trazem à memória a guerra lançada pelo ditador soviético Estaline contra a social-democracia europeia nos anos 30 do século XX, uma das causas da chegada de Hitler ao poder.

Não é por proximidade ideológica, mas por mero interesse profissional que à quinta-feira leio “religiosamente” o “Avante”, órgão do Comité Central do Partido Comunista Português, e constato que, do ponto de vista ideológico, os comunistas portugueses em nada se afastaram de Estaline no que respeita ao combate contra o Bloco de Esquerda, seu actual parceiro no apoio ao governo de António Costa.

No último número desse jornal, tal como aconteceu em números anteriores, o Bloco de Esquerda e os seus aliados internacionais são um dos principais alvos do ataque dos comunistas portugueses. Na crónica internacional “Ilusões e luta”, pode ler-se: “Na Grécia e França, importantes lutas marcam a actualidade. Governos auto-proclamados de esquerda – ou até da «esquerda radical» – estão a concretizar as políticas anti-laborais e anti-sociais do grande capital financeiro. Mas a resistência tem-se manifestado nas ruas e em greves, organizada pelo movimento sindical e organizações políticas ligadas à defesa dos interesses de quem trabalha, e não aos interesses de quem lucra”.

E para que não fiquem dúvidas, o autor acrescenta: “Na Grécia é o governo da «esquerda radical do Syriza – tão promovido por certa esquerda europeia, como o BE, que se pendurava ao pescoço de Tsipras nos dias de glória eleitoral para depois fazer de contas que nem sabia quem fosse – que está a promover mais um feroz ataque ao martirizado povo grego. Desta vez com uma «reforma» do sistema de pensões. De proclamado opositor e resistente aos ditames da UE, o governo Tsipras tornou-se num fiel executante das políticas de austeridade da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI. Mas o governo Tsipras foi mais além, colaborando com o belicismo imperialista”.

No plano da política interna portuguesa, isto apenas destaca que o Bloco de Esquerda é um dos principais adversários e concorrentes do PCP, mais perigoso até do que os chamados partidos de direita: CDS/PP e PSD. Os comunistas receiam entrar numa rota irreversível de extinção, cujo processo poderá favorecer o BE.

Este tipo de ataques do PCP ao BE traz à memória a guerra lançada pelo ditador soviético José Estaline contra a social-democracia europeia nos anos 30 do século XX, uma das causas da chegada de Adolfo Hitler ao poder na Alemanha. Foi então que surgiu o termo “social-fascismo”, criado por Moscovo para denegrir a esquerda democrática na época.

Mais tarde, como é sabido, o “feitiço virou-se contra o feiticeiro” e o termo “social-fascista foi utilizado pela extrema-esquerda portuguesa para atacar o partido de Álvaro Cunhal.

No plano externo, é “comovente” (mas não surpreendente) a admiração que o Partido Comunista Português nutre por dirigentes como Vladimir Putin. O “Avante” noticia: “Segunda-feira, 9, a Praça Vermelha foi palco de um impressivo desfile envolvendo cerca de 10 mil militares (pela primeira vez participou um esquadrão feminino de cadetes), 135 veículos e 71 aviões. O presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, apelou à construção de «um novo bloco de segurança internacional para derrotar o terrorismo», que considerou uma séria ameaça contemporânea””.

Não vamos perder tempo a comentar o facto de manifestações dessas terem como único objectivo demonstrar força militar, pois, caso contrário, o Kremlin faria melhor canalizar os meios financeiros gastos nestes espectáculos para o apoio aos veteranos russos da Segunda Guerra Mundial, muitos dos quais recebem pensões miseráveis e não têm meios para tratar da sua saúde.

Fica-se com a sensação de que os comunistas portugueses esperam que Vladimir Putin volte a ressuscitar dos mortos a União Soviética, esperança completamente vã. É verdade que o dirigente russo tem algumas coisas de comum com os líderes comunistas soviéticos: é autoritário, usa e abusa do discurso “anti-imperialista”, ou seja, anti-americano para justificar todos os males do seu próprio país e do mundo em geral, esperando assim desviar a atenção dos russos do estado em que se encontra a Rússia.

Mas, na realidade, a política social e económica por Putin realizada assemelha-se muito à da extrema-direita autoritária, nomeadamente ao salazarismo. Ele criou na Rússia um sistema corporativo que faria inveja a qualquer ditador. Basta olhar para o estado do movimento sindical russo, completamente controlado pelo Kremlin. Se são raras as notícias sobre greves e conflitos sociais na Rússia, isso não se deve à prosperidade económica e social, mas à acção de um aparelho repressivo cada vez maior e mais brutal.

Dito isto, só encontro uma explicação para este fenómeno e ela já não é nova: os extremos tocam-se.

Voltando à guerra entre o PCP e o BE, os militantes desta última organização têm mais sorte do que os seus congéneres soviéticos, nomeadamente Lev Trotski, porque Portugal não corre, pelo menos por enquanto, o risco de ver os comunistas chegarem ao poder. Se tal desgraça acontecesse, receio que seria desenterrado o famoso pica-gelo utilizado por Estaline para liquidar o seu mais directo adversário na luta pelo poder: Trotski.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes
1.117

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Vladimir Putin

Vladimir Putin não suporta oposição

José Milhazes
186

Os dirigentes russos vivem no pesadelo de serem surpreendidos por uma “revolução de veludo”, organizada a partir do exterior, não admitindo que possa haver alguém que na Rússia se oponha a Putin.

Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes
1.117

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas