Logo Observador
Crescimento Económico

Qual deveria ser o debate?

Autor
218

O debate público, em Portugal, é francamente infantil. Grande parte dos “comentadores” está mal informado, limitam-se a fazer comentário que pouco mais são do que “conversas de café”.

O problema fundamental da economia portuguesa é que esta não cresce há cerca de década e meia. Com crescimento, o défice público seria sustentável, e não seriam necessárias as tão detestadas políticas de austeridade – que vão continar seja quem for que estiver no governo.

Quase toda a gente concorda que seria melhor para Portugal crescer. Parece-me haver completo acordo nesta matéria entre os principais partidos, apesar de poderem existir divergências sobre a melhor estratégia para gerar esse crescimento, ou sobre a forma de distribuir os rendimentos daí resultantes.

Uma coisa, no entanto, é certa: o que nós gostaríamos é que continuassem as taxas de crescimento que tivemos entre os anos 1950 e 2000. Até meados do século XX, Portugal era um país verdadeiramente pobre. Em 1950, tinha um rendimento médio por pessoa de $2086, o que é inferior ao que Moçambique tem hoje ($2613 em 2010, ano dos últimos dados disponíveis). Mas entre 1950 e 2000, a situação mudou radicalmente. O rendimento anual por pessoa, em Portugal, aumentou 7 (sete!) vezes, em termos reais, durante este período. Com as consequências positivas que seriam de esperar – a mortalidade infantil caiu a pique, a esperança média de vida aumentou, a qualidade da educação e especialmente o seu acesso também aumentaram.

Hoje, Portugal é dos países mais ricos do mundo. E não é apenas por fazer parte da OCDE. Contra factos não há argumentos: está em 42º na lista do FMI e em 38º na lista do Banco Mundial, num total de cerca de 200 países (2013 é o último ano disponível). E ainda se sai melhor quando são considerados outros indicadores de bem estar para além do rendimento, como a liberdade pessoal ou a criminalidade. O ranking multi-dimensional do Legatum Institute coloca Portugal em 27º, apenas seis lugares atrás da França.

Mas na última década e meia as coisas não têm corrido bem. Portugal não cresce, e isso quer dizer que, em termos relativos, está a perder terreno em relação a grande parte do mundo, que se encontra, geralmente, num processo de crescimento. Não podemos sair desta situação sem um debate sério sobre algumas questões importantes: a) quais foram as causas do sucesso português entre 1950 e 2000, b) quais são as causas da paragem da economia desde então, e finalmente c) o que podemos fazer para mudar a situação no sentido de a melhorar. Chamo a atenção para a absoluta necessidade de não cairmos na tentação de darmos respostas simplistas, do tipo “a culpa é dos políticos”, porque não são de todo satisfatórias.

No entanto, no debate público não é isto que encontramos. O debate público, em Portugal, é francamente infantil. Grande parte dos “comentadores” está mal informado, limitam-se a fazer comentário que pouco mais são do que “conversas de café”, frequentemente enviesadas pela ideologia de quem o faz – quando, na maior parte das vezes, até existe literatura científica sobre o assunto que está a ser discutido, mesmo que não garanta respostas simples e fáceis.

Portugal está parado desde 2000. Não é credível, por exemplo, argumentar que a culpa da crise foi o chumbo do PEC IV, como fez recentemente um conhecido jornalista, ou que a fonte da crise foi a tróika ou as políticas de austeridade – elas próprias foram uma consequência, apesar de terem contribuído para agravar uma crise que poderia ter sido mais suave.

Sem compreender o passado não podemos compreender o presente, e em particular esta questão das “crises” de curto prazo não nos pode tornar míopes em relação às origens históricas da situação presente do país (muito anteriores a 2000), em termos tanto económicos como políticos.

Economista, especializado em História Económica. Professor na Universidade de Groningen (Holanda). Escreve no blog Portugal no Longo Prazo

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Atentados de Bruxelas

Um ano de cinzas

Alexandre Krauss

Não consigo passar o terminal do aeroporto de Bruxelas sem estar em alerta para algo suspeito. Mas algo mais mudou em mim: nunca foi tão forte o meu empenho em ajudar a reformar o Projecto Europeu.