Presidente Trump

Re: “Qual o maior perigo: Trump ou os inimigos de Trump?”

Autor
912

Depois desta semana e meia de Trump no poder, estou curioso para saber se Rui Ramos e Alexandre Homem Cristo mantêm a mesma opinião e se pensam que o perigo tanto vem de Trump como dos seus opositores

Há uma semana e meia, Rui Ramos escreveu, no Observador, um artigo em que se mostrava preocupado com os perigos dos “anti-trumpistas”. Três dias depois, Alexandre Homem Cristo, também aqui, escreveu um artigo na mesma linha, com vários argumentos coincidentes. Ambos alertam para o perigo que vem de quem se opõe a Trump. Homem Cristo nomeia mesmo o sociólogo Boaventura Sousa Santos e o realizador Michael Moore como representantes desse perigo de esquerda.

Confesso que tenho dificuldades em perceber que, perante um presidente do país mais poderoso do mundo — que se comporta como uma criança a responder por twitter a uma actriz; que se comporta como um adolescente preocupado com o tamanho da sua inauguração; que se comporta como um herói de um filme violento, a defender a tortura de prisioneiros —, alguém se lembre de dizer que o perigo para a estabilidade mundial vem de Boaventura Sousa Santos.

Uma das queixas de Rui Ramos é a de que “Donald Trump já [estava] sentado no Tribunal de Nuremberga antes mesmo de tomar posse”, ou seja, antes de ter “tempo para fazer fosse o que fosse”. Não sei se o problema era porque Rui Ramos achava que Trump não ia fazer nada do que prometia, ou porque achava que aquilo que ele prometia não era nada perigoso. Fosse como fosse, a verdade é que Trump não havia ainda tomado posse. Mas agora, depois de 11 dias de presidência, já não há como fingirmos a nossa inocência. Salena Zito, num famoso artigo sobre a personagem, descreveu-o como alguém que, apesar de ser levado a sério pelos seus apoiantes, não era interpretado literalmente: “his supporters take him seriously, but not literally”. Já a imprensa, porque o interpretava literalmente, não o levava a sério.

Neste momento, é claro que Trump deve ser levado tanto a sério como literalmente. Prometeu acabar com o Obamacare e, ainda antes de ter apresentado uma alternativa, já deu ordem para a sua destruição. Prometeu impedir a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos e já deu uma ordem nesse sentido. Prometeu (acabar de) construir o muro a separar os EUA do México e enviar-lhes a conta e já ameaçou criar uma tarifa de 20% sobre produtos mexicanos para os obrigar a pagar o muro — que a tarifa seja paga por americanos e não por mexicanos apenas mostra que Trump, como a maioria dos políticos, pouco percebe de economia. Depois desta semana e meia de Trump no poder, estou curioso para saber se Rui Ramos e Alexandre Homem Cristo ainda mantêm a mesma opinião e se consideram que o perigo tanto vem de Trump como dos seus opositores.

Há, no entanto, um argumento com que estou totalmente de acordo. Uma democracia saudável exige que os derrotados aceitem a derrota. Argumentam, e com razão, que é mau para a democracia quando o derrotado não aceita a legitimidade do vencedor. A este respeito, Rui Ramos é bastante incisivo, acusando os adversários de Trump de tentativas de o “deslegitimar”. Homem Cristo é também muito eloquente: “a solidez de uma democracia não se avalia só pela forma como se ganha, mede-se sobretudo pela forma graciosa como se perde.”

“Pela forma graciosa como se perde”. Inevitavelmente, quando li isto, lembrei-me da forma como, em Portugal, se acolheu o governo de Costa. A procura pela sua deslegitimação dura até hoje. Não é necessário citar todos os colunistas e responsáveis políticos que o fizeram, basta ler Rui Ramos. A 8 de Outubro de 2015, publicou um artigo com o título de “A fraude pós-eleitoral”. A 21 de Outubro, escreveu que só novas eleições poderiam dar legitimidade ao governo que Costa tinha em preparação. A 23 de Outubro, depois de o Presidente convidar, como se esperava, Passos Coelho a formar governo, Rui Ramos fala em “Restauração constitucional”, como se a ordem constitucional estivesse a ser subvertida pelas negociações à esquerda, que, naturalmente, se mantiveram. A 27 de Outubro, volta a dizer que só novas eleições podem dar legitimidade a um governo. A 3 de Novembro, declarava que “o poder corrompe, e o poder de uma maioria parlamentar forjada no desespero e no cinismo da derrota, corrompe muito mais”. Falava também em golpadas e argumentava que a oligarquia se tinha libertado dos eleitores.

Penso que não vale a pena continuar com estas citações. Apenas chamo a atenção que quem, além dos artigos referidos, escreveu outro a avisar que “isto poderia não acabar bem”, que os líderes de direita não podiam aceitar este roubos e a vaticinar uma radicalização da sociedade portuguesa tal que acabaríamos “entre ‘fachos’ e ‘comunas’ como em 1975”, devia ser mais ponderado antes de acusar os apoiantes de Clinton de querer “voltar os cidadãos contra o sistema democrático”, como fez há semana e meia.

Enfim, todos temos muito a aprender com Trump. Pode ser que parte da esquerda, ao ver esta personagem a implementar políticas proteccionistas, perceba que políticas liberais não são um papão. Mais importante ainda, pode ser que parte da esquerda aprenda a não se deixar enganar por populistas providenciais como Chávez. Já a direita portuguesa também pode aprender umas coisas essenciais. Por exemplo, que com o discurso anti-politicamente correcto vem o racismo e xenofobia; e, já agora, aprendiam a perder eleições com “graciosidade”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria
207

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Assembleia Da República

Um hemiciclo com paredes de vidro

Luís Aguiar-Conraria
148

Temos agora um site que permite saber o sentido de voto de cada deputado em cada diploma discutido na Assembleia da República. Todo este trabalho foi gratuito, não resultou de um subsídio.

PS

Um Governo que desistiu de governar?

Luís Aguiar-Conraria
826

Um PS que prefere a actual solução parlamentar a uma maioria absoluta é um PS que desistiu de cumprir o seu programa. É deixar quem defende o essencial do seu programa eleitoral sem ter em quem votar.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site