Rádio Observador

Crise Política

António Costa do outro lado do muro

Autor
6.255

Só novas eleições poderão resolver a crise política portuguesa: ou dando à coligação PSD-CDS a maioria absoluta que lhe faltou, ou dando a um bloco Costa-PCP-BE a vitória eleitoral que não teve.

Em Maio de 2014, para tirar o lugar a António José Seguro, António Costa transformou uma vitória eleitoral numa derrota; agora, para se manter no lugar, pretende transformar uma derrota numa vitória. Como o povo não o quis, recorre a uma combinação de bastidores parlamentares. “Se for preciso, faz coligação com o diabo”, dizia um amigo no livro que sobre ele escreveram Bernardo Ferrão e Cristina Figueiredo. Estamos a ver.

Em princípio, o PS teria muito mais vantagens num acordo com o PSD e o CDS: o governo dependeria dele, o PS poderia impor medidas, controlar o tempo, preparar a sucessão. Em vez disso, num pacto com o BE e o PCP, será o PS a parte dependente, como Catarina Martins já fez sentir. Mas Costa sabe que a primeira solução seria o seu fim, na medida em que implicava o reconhecimento da derrota do dia 4. A “maioria de esquerda” é o tapete aritmético para debaixo do qual Costa pretende varrer o seu fracasso. Muitos já recensearam os riscos e as dificuldades de um governo à mercê do PCP e do BE num país do euro em convalescença financeira. Também sabemos que, ao contrário do que clamam Costa e os seus apaniguados, o PS não está separado do PCP e do BE apenas pelos incidentes do PREC, uma zanga de família, ou detalhes de política externa: entre o socialismo democrático e o comunismo há a distância que vai do reformismo à revolução, da democracia à ditadura. Qual dos ingredientes vai sobreviver à mistura?

Mas o pacto de Costa com o PCP e o BE é apenas metade da história. A outra metade é o rompimento com o PSD e o CDS. Em Novembro de 2014, no congresso do PS, Costa proclamou uma ruptura total, “um fosso ideológico, cultural e até civilizacional” entre o PS e a “direita”. Não lhe bastou ter políticas alternativas: teve de excomungar e de segregar a “direita”, perfilhando os termos rotineiros da propaganda comunista. O branqueamento do PCP e do BE está assim articulado com a diabolização da direita democrática, acusada dos piores crimes: tão grandes, que justificam uma aliança com estalinistas para a expulsar do governo. Costa não está a derrubar o muro de Berlim: está a passar para o outro lado.

Costa preocupa-se agora com a discriminação de partidos que valem 20% dos votos, e que nunca valeram mais. Mas a exclusão do governo — por meros arranjos parlamentares — de partidos que ganharam as eleições, que valem 40% dos votos e que há quatro anos valeram 50%, será muito mais desestabilizadora para o regime. PSD e CDS vão reagir fortemente. É uma questão de sobrevivência. É também uma questão de oportunidade: pela primeira vez, têm a possibilidade de reclamarem em exclusivo a representação da opinião democrática, reformadora e europeísta, perante um eventual bloco social-comunista. Porque é que haveriam de ter a contenção que faltou a Costa e aos seus parceiros? A exclusão do PCP e do BE não dividia a sociedade portuguesa; a exclusão do PSD e do CDS, contra as tradições e as regras do regime, dividirá.

Já não há soluções de governo estáveis e coerentes neste parlamento. A coligação PSD-CDS venceu as eleições, mas não terá, pelos vistos, apoio parlamentar. Um acordo Costa-PCP-BE poderá reunir esse apoio, mas será sempre apenas um arranjo de derrotados, uma Frente Impopular, para eliminar a opção de governo mais votada pelos portugueses. Só a dissolução deste parlamento e novas eleições poderão resolver a crise política portuguesa: ou dando à coligação PSD-CDS a maioria absoluta que lhe faltou, ou dando a um bloco Costa-PCP-BE a vitória eleitoral que não teve. O país, sabendo o que agora sabe, tem o direito e precisa de fazer uma grande escolha. Quanto mais depressa ficar estabelecido que haverá novas eleições em Maio ou Junho de 2016, melhor para todos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O país onde a política morreu /premium

Rui Ramos
165

As más finanças, a estagnação económica e o envelhecimento demográfico tiraram oxigénio a tudo o que relacionávamos com direita e esquerda em Portugal. Há apenas governo e oposição.

Crise Política

Professores congelados

Jose Pedro Anacoreta Correira
128

A crise política permitiu perceber o posicionamento global de cada partido. Por mim, entre a ingenuidade própria de quem tem princípios e a habilidade desonesta, não tenho dúvidas de que lado estou.

Crise Política

Dar o dito por não dito /premium

Manuel Villaverde Cabral

O Presidente da República, habitualmente tão loquaz, nem piou. Calculou que o «bando dos quatro» não se aguentaria, como não se aguentou, borregando antes de a semana findar. 

Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)