Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um jardim que se adapta ao nosso estado emocional. Mais: um jardim que reage às opiniões dos utilizadores no Twitter, através de movimentos na paisagem. A Universidade de Lincoln apresenta-o como “o primeiro passo na criação de edifícios com sentimentos, que pode ser o futuro dos edifícios inteligentes.”

A ideia baseia-se no “University’s Digital Capabilities garden”, a estrutura vencedora do Chelsea Flower Show Royal Horticultural Society de 2013 e produzida pela mesma universidade. O Garden Up reuniu investigadores, arquitetos e cientistas e é agora uma realidade. O jardim tecnológico é o culminar de uma vontade: explorar a ligação entre a arquitetura e as emoções humanas. Para fazer jus à tecnologia, à típica relva junta-se uma estrutura de aço bruto, que responde às atualizações das emoções transmitidas pelas pessoas naquela rede social através da hashtag #gardenup.

 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR