Na sequência da quebra do acordo de tréguas de cinco horas na manhã desta quinta-feira, Israel anunciou um cessar-fogo a ter início às 6h locais de sexta-feira, depois de negociações durante toda a manhã no Cairo, Egito. O Hamas, contudo, diz não saber de qualquer acordo e acusa Israel e o Egito de terem tomado uma decisão unilateral.

Para já, de acordo com o Guardian, estão a decorrer negociações entre as partes, tendo o Hamas proposto cinco condições para as tréguas que, até ao momento, não foram aceites por Israel. Essas condições são:

  • Abertura das fronteiras para a Faixa de Gaza
  • Abertura da fronteira da Faixa de Gaza com o Egito permanentemente com garantias de que não será fechada
  • Criação de um corredor marítimo para Gaza
  • Conceder autorização aos habitantes de Gaza para poderem deslocar-se à mesquita al-Aqsa, em Jerusalém
  • Libertação de prisioneiros do Hamas atualmente detidos pelas autoridades israelitas

Na quarta-feira, Israel e o Hamas aceitaram um período de cessar-fogo em Gaza proposto pela ONU. Esta trégua temporária deveria ter tido uma duração de cinco horas, entre as 10h e as 15h de esta quinta-feira, permitindo a entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza, mas foi quebrada: houve relatos do envio de três rockets do lado palestiniano para território de Israel, que entretanto respondeu com novos ataques.

O pedido de cessar-fogo de 5 horas, feito pela ONU, surgiu na sequência de um ataque em Gaza que vitimou quatro crianças, de 9 a 11 anos de idade, que brincavam numa praia. Quanto a este assunto, o exército israelita diz que está a investigar pois não tinha intenção de ferir civis, como adianta o Guardian. Ainda assim, Israel justifica o que aconteceu com o facto de ter “sido arrastado pelo Hamas para uma realidade de combate urbano”.