A Portugal Telecom (PT) retirou do Banco Espírito Santo (BES) todos os seus depósitos bancários. Os depósitos, no valor de 128 milhões euros, pertenciam a três empresas do grupo PT que os perderia, caso os mantivesse no BES após a sua divisão em dois bancos diferentes. Isto porque a operadora detém mais de 2% do banco (2,1%), o que, de acordo com a solução do BdP, faria com que a responsabilidade dessas aplicações fosse do banco mau e não do Novo Banco.

“Nesta data [30 de junho] a PT International Finance e a PT Portugal mantêm depósitos bancários junto do BES num total de 22 milhões de euros e a Portugal Telecom SGPS, depósitos bancários de 106 milhões de euros”, pode-se ler no comunicado que especificava a exposição da PT ao GES/BES, enviado à CMVM, e citado pelo Diário Económico. Um mês após a publicação do comunicado a operadora retirou todo o dinheiro do BES.

De acordo com o Económico, apesar de ter retirado os depósitos bancários, a PT ainda deverá ter um impacto negativo de 116 milhões de euros com a posição no BES, detida através do Fundo de Pensões e Cuidados de Saúde em Portugal. Porém, o prejuízo pode não ser assumido nos resultados da operadora, uma vez que o fundo de pensões tem um horizonte de investimento de 30 anos, pelo que pode vir a recuperar dessa perda através de ganhos noutros ativos.