Os preços na zona euro cresceram 0,4% em outubro face ao mesmo mês de 2013, com os preços nos restaurantes e cafés a darem o maior impulso ao crescimento dos preços, seguidos de perto por aumentos nos preços das rendas e nos preços do tabaco, indicou hoje o Eurostat.

Segundo os dados divulgados hoje pelo gabinete de estatísticas das comunidades europeias, os preços tinham crescido 0,3% em setembro (em comparação com setembro de 2013), e agora avançam para 0,4%.

Os restaurantes e cafés foram os que mais fizeram a inflação crescer em outubro, com um contributo 0,08 pontos percentuais, seguidos dos preços nas rendas (0,07 pontos percentuais) e do tabaco (0,05 pontos percentuais).

Já a pressionar para uma baixa de preços estiveram os produtos e serviços relacionados com os combustíveis para transporte, que pressionam em baixa os preços em 0,17 pontos percentuais, seguido das telecomunicações (0,1 pontos percentuais) e do óleo para aquecimento (0,09 pontos percentuais).

A classe produtos relacionada com a energia foi onde ser verificou a maior queda, comprovando a tendência de queda acentuada nos preços do petróleo e do gás natural. Segundo o Eurostat, os preços da energia caíram 2%.

Retirando os produtos e serviços relacionados com a energia do cálculo da inflação, os preços na zona euro teriam subido 0,7%.

Para o total da União Europeia, a inflação cresceu 0,5% em outubro (face a outubro de 2013), também um crescimento face ao verificado em setembro (0,4%).

Em Portugal, o INE já tinha dado conta que os preços tinham estabilizado em outubro, face ao que aconteceu no mesmo mês de 2013, depois de terem sofrido uma queda em setembro.

Os produtos alimentares não transformados e os produtos energéticos tiveram novamente uma queda nos preços.

Em setembro, os preços estavam a cair 0,4% comparando com setembro de 2013.