Rádio Observador

Ciência

20 anos depois, Hubble regressou aos “Pilares da Criação”

110

O Hubble realizou, em 1995, uma das mais icónicas imagens do espaço, a dos "Pilares da Criação" na Nebulosa da Águia, a 6500 anos-luz. Agora voltou a fotografá-los, em espantosa alta-definição.

A Nebulosa da Águia fica lá longe, muito longe, na constelação da Serpente, um pouco à esquerda da constelação Sagitário quando olhamos para o céu estrelado. Há vinte anos o telescópio espacial da NASA, o Hubble – que comemorará 25 anos de vida no próximo mês de abril -, descobriu, numa pequena região designada por M16, as formações que ficaram conhecidas como os “Pilares da Criação”. Agora voltou a fotografá-los e o resultado é surpreendente.

 

O “Pilares da Criação” são, na descrição da própria NASA, “três colunas gigantescas de gás gelado banhadas por luz ultravioleta que se destacam de um aglomerado de estrelas jovens e massivas numa pequena região da Nebulosa da Águia, ou M16”. Eles são como que o viveiro do violento processo de formação das estrelas, quando as poeiras e os gases atingem densidades tão elevadas que se contraem sobre si mesmo, iniciando o processo de fusão nuclear que existe no coração das estrelas. O processo que se passa em M16 talvez não seja muito diferente do que existiu durante a formação da nossa própria estrela, o Sol.

No interior dos pilares existem aglomerados de estrelas gigantes que emitem radiações capazes de provocarem uma espécie de vento que como que sopra e afasta as partículas do topo dos pilares.

As imagens agora divulgadas têm uma definição muito maior. A primeira, tirada com luz visível, é muito mais contrastada e mostra mais detalhes. A segunda, que foi tirada com luz quase infravermelha, mostra-nos os pilares como ténues silhuetas num fundo de milhares de estrelas.

Paul Scowen, um investigador do Universidade do Arizona em Tempe que foi um dos cientistas que estudou as imagens de 1995, manifestou, numa declaração por escrito à NASA, todo o seu entusiasmo face “aos detalhes incríveis que são agora visíveis pela primeira vez”.

Uma formação como esta, explicou Scowen, só é visível porque as estrelas enormes que estão no seu interior emitem radiação suficiente, nas frequências ultravioleta, conseguir ionizar as nuvens de gás e fazê-las brilhar. No seu comunicado o cientista da Universidade do Arizona também refletiu sobre a circunstância de este “viveiro de estrelas” – daí o nome “Pilares da Criação” – ser também uma zona de destruição.

Estou impressionado com o quão transitórias estas estruturas são. Os pilares estão literalmente a ser desfeitos diante dos nossos olhos. A neblina fantasmagórica azulada em torno das bordas densas dos pilares é constituída por materiais que estão a ser aquecidos e a evaporar-se, desaparecendo no espaço. Descobrimos estes pilares num momento muito especial e de curta duração no processo da sua evolução “.

Ao compararem as imagens de 1995 com as 2014 os astrónomos repararam, por exemplo, que uma formação com forma de um jato se tinha alargado. A sua interpretação é que se trata de materiais que forem ejetados de uma estrela acabada de formar e que, neste intervalo de tempo, se tinham espalhado pelo espaço, ocupando quase mais 100 mil milhões de quilómetros, o que significa que viajam a 725 mil quilómetros por hora.

A qualidade destas novas imagens foi possível porque, em 2009, foi instalada no telescópio Hubble uma nova câmara, a Campo Largo 3, com mais definição e capacidade para captar várias frequências de luz. Situada numa órbita a 560 km da Terra, o Hubble tem conseguido fazer imagens impossíveis de obter por telescópios terrestres, mesmo dos construído a elevadas altitudes, pois está livre da interferência da nossa atmosfera.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmf@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)