O tema não é novo. Aliás, há já muitos anos que se estabeleceu esta ideia entre a população de que há escolas mais exigentes do que outras na atribuição de notas aos alunos e que há escolas onde é mais fácil ou mais difícil ter “boas notas”. Agora, um estudo de Gil Nata e Tiago Neves, investigadores da Universidade do Porto, vem mostrar que dois alunos com nota semelhante nos exames nacionais podem ter uma variação de dois até quatro valores nas notas internas, consoante a escola onde estudem.

Olhando para os últimos 13 anos, chegam a uma espécie de “ranking”, onde são os colégios privados do Norte que aparecem em destaque entre os que mais inflacionam notas. O problema é que essa inflação dá vantagem aos alunos, criando injustiças no acesso ao ensino superior.

Os dois investigadores do Centro de Investigação e Intervenção Educativas da Universidade do Porto têm-se dedicado à análise deste fenómeno ao longo dos últimos anos e têm até já artigos escritos em revistas internacionais. Agora revelam quais os colégios privados e escolas públicas que mais têm inflacionado ou deflacionado as notas, face à média nacional.

De acordo com a imprensa deste sábado a principal conclusão é que são os colégios privados do Norte, sobretudo na Área Metropolitana do Porto e na região do Minho, que ao longo dos últimos 13 anos mais têm inflacionado notas. E porquê? “Por causa da pressão do mercado”, avançam os investigadores ao Expresso. Ou seja, se um colégio privado numa determinada zona é conhecido por dar melhores notas, atrai à partida mais alunos. E os colégios nas redondezas acabam por facilitar também e subir notas para conseguirem fazer concorrência. O Colégio Ellen Key e o Ribadouro, ambos no Porto, são os colégios privados que aparecem mais vezes no topo daqueles que mais inflacionaram notas nos últimos 13 anos, entre um conjunto de cerca de 600 escolas secundárias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O grande problema neste fenómeno é que as classificações internas dos alunos têm um peso significativo (entre 50 a 65%) no acesso ao Ensino Superior. Os dois investigadores do Porto tiveram esse facto em consideração e após fazerem as contas chegaram à conclusão que a diferença de um valor na nota de candidatura pode dar uma vantagem de 80% a 90% no acesso aos cursos que exigem médias mais altas (como Medicina ou Arquitetura). E mesmo que a diferença na nota de candidatura se fique pelos 0,5 valores a mais, o aluno pode ter uma vantagem de 50% a 60%.

Já no início da semana o Público tinha escrito, baseando-se nas informações do portal InfoEscolas que foi lançado na terça-feira pelo Ministério da Educação, que há 24 escolas, das quais 14 privadas, onde os professores dão por hábito notas mais elevadas aos seus alunos do que seria expectável e que esses desvios estão a ser analisados pela Inspeção-Geral da Educação e Ciência.