O conselho de administração conjunto da Estradas de Portugal (EP) e da REFER aprovou nesta sexta-feira a organização e nomeou a direção comum às duas empresas, que sofre uma redução de 20% perante a atual estrutura. Em comunicado, a EP informa que a direção é composta por colaboradores de ambas as empresas, 55% provenientes da Refer e 45% da EP, e que a nova estrutura está organizada em três áreas nucleares (gestão da mobilidade, de infraestruturas e de dinamização de centros de lucro), além dos serviços partilhados e corporativos.

“Este modelo organizativo, orientado para a fusão das duas empresas, irá permitir à futura empresa responder de forma clara e eficaz aos novos desafios da gestão integrada da rede de infraestruturas de transporte rodoferroviário nacional”, assegura a EP. Para a EP, foi dado um passo para a “criação de uma empresa única, mais forte, sustentável e eficiente na gestão das infraestruturas rodoferroviárias de Portugal”.