A violência marcou o arranque do dia do protesto contra o Banco Central Europeu (BCE), promovido pelo grupo anti-austeridade alemão ‘Blockupy’ e que coincide com a data de inauguração das instalações da nova sede do BCE em Frankfurt, Alemanha.

Carros da polícia e contentores de lixo incendiados, pedras lançadas contra janelas de edifícios e contra oficiais da polícia, foram alguns dos incidentes que marcaram o início do protesto contra o BCE. Esta jornada de manifestações deverá mobilizar, segundo o organização, cerca de 10.000 pessoas, diz o jornal espanhol El Mundo.

A polícia alemã deteve 350 pessoas devido a atos de vandalismo durante o protesto desta quarta-feira, ao final da manhã, afirmou o jornal espanhol ABC. As forças de segurança usaram canhões de água pressurizada para dispersar os manifestantes.

Centenas de carros da polícia cercavam as duas torres de vidro do BCE e arame farpado foi colocado ao longo do perímetro de segurança, constatou um jornalista da agência France Presse, segundo a agência Lusa. Oito polícias foram feridos à pedrada.

“Apelámos a protestos pacíficos e, claramente, manifestantes que não fazem parte do ‘Blockupy’” juntaram-se, “lamento-o”, declarou no local à AFP Herman Schaus, deputado regional e membro do partido da esquerda radical Die Linke. Sindicatos, ONG como a Attac e partidos de esquerda europeus como o Die Linke integram o coletivo “Blockupy”, que vê no BCE um dos principais arquitetos das políticas de austeridade impostas a vários países europeus, diz a Lusa.

O protesto desta quarta-feira, convocado pelo grupo anti-capitalista e anti-austeridade ‘Blockupy’, dará continuidade às manifestações que tiveram lugar no Chipre, fora das instalações onde ocorria uma reunião do Conselho do BCE e que sublinharam a insatisfação desse setor da opinião pública com o desempenho da poderosa instituição.

Um dos objetos do protesto é a dimensão das novas instalações do BCE, onde foram gastos cerca de 1,3 mil milhões de euros, segundo a Reuters. O banco é considerado por movimento da esquerda radical como “um símbolo do capitalismo”.

A organização espera a presença de 7.000 alemães e que ainda se juntem ao protesto 3.000 manifestantes estrangeiros.

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, inaugura oficialmente a nova sede do banco esta quarta-feira pelas 10h00 horas (hora de Lisboa). A celebração conta com a presença dos governadores dos bancos centrais da zona euro.

Durante a inauguração das novas instalações, Mario Draghi, afirmou que a nova sede do banco proporciona “uma base sólida para o BCE cumprir o seu mandato de estabilidade de preços para todos os cidadãos da zona euro”.