A Grécia conseguiu esta quarta-feira refinanciar 1,4 mil milhões de euros de dívida de curto prazo, emitindo este valor para pagar em seis meses. Para isto os investidores exigiram uma taxa de juro média de 2,97%. No mesmo dia, a Grécia garantiu o pagamento de 200 milhões de euros em juros ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Com o tempo para conseguir um acordo cada vez mais curto e com os cofres gregos cada vez mais vazios, a Grécia voltou a testar os mercados para conseguir refinanciar dívida de curto prazo que tinha de pagar esta semana.

Mesmo com a ameaça de um incumprimento iminente a pairar sobre os credores de Atenas, os investidores emprestaram dinheiro à Grécia. Os juros são altos, especialmente para uma emissão a tão curto prazo, mas não muito diferentes do que tem sido exigido pelos investidores nos recentes leilões para prazos semelhantes.

Também hoje, o Governo grego garantiu que pagou a primeira das duas dívidas que tem de honrar este mês para com o FMI. Atenas deu ordens para pagar 200 milhões de euros em juros ao FMI, mas o teste maior chegará a 12 de maio, já na próxima semana, quando tiver de pagar 750 milhões de euros ao Fundo.

Segundo a AFP, que cita fontes não identificadas, a Grécia ainda terá capacidade para fazer esse pagamento, mas depois disso é uma incógnita.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR