Definitivamente, os engenheiros da Google gostam de doces. O primeiro sistema operativo Android chamava-se Donut (1.6), depois seguiram-se o Eclair (2.0), Froyo (2.2), Gingerbread (2.3), Honeycomb (3.0), Ice Cream Sandwich (4.0), Jelly Bean (4.1), KitKat (4.4) e Lollipop (5.0). Por isso era previsível que a nova sobremesa seguisse a tradição, o que se veio a confirmar esta quinta-feira com a apresentação do novo sistema operativo (SO): chama-se simplesmente M — de M&M’S?

A apresentação decorreu no primeiro dos dois dias da conferência de desenvolvimento I/O 2015, em São Francisco, Califórnia (EUA). É neste palco que são exibidos os projetos e novidades da Google, numa vertente tecnologicamente direcionada para os profissionais e equipas que desenvolvem software, mas que acaba por merecer a atenção da imprensa e do público em geral, quanto mais não seja porque é ali que são reveladas as novidades que irão fazer parte dos dispositivos móveis que correm o SO Android, isto é, 78,9% do mercado global.

O Android M estará disponível (para o público em geral) no terceiro trimestre deste ano e será uma versão vitaminada do atual Lollipop. Energeticamente mais eficiente, acrescenta novas funcionalidades que rivalizam com o concorrente iOS (da Apple). Destacamos de seguida algumas das novidades do novo sistema operativo da Google.

1. Sistema de permissões das aplicações

Atualmente, quando se instala uma aplicação através da loja da Google, o utilizador é avisado dos acessos que essa aplicação vai poder utilizar (como por exemplo os contactos, calendário, microfone e localização), ou seja, é concedido um espetro de acessos sobre os quais não existe controlo, é um “tudo ou nada”, o utilizador aceita instalar a aplicação com os acessos que ela exige, ou nada feito. Com o M, passa a ser possível determinar com exatidão as permissões concedidas a cada aplicação e assim evitar “abusos”.

2. Otimização de energia

O Android M vai ter uma funcionalidade chamada Doze (“dormitar”). Capaz de detectar a inactividade do smartphone, o M entrará em “sono profundo” nos períodos mais longos, o que permite duplicar a autonomia da bateria. Ainda assim, será possível activar uma lista de mensagens e contactos prioritários e manter os alarmes ativados.

3. Navegação offline

A aplicação Mapas da Google vai permitir a navegação offline, ideal para poupar dados móveis, em especial na utilização em roaming. Para evitar gastos excessivos, as pesquisas serão ainda otimizadas para carregar menos dados, nomeadamente as imagens. Além disso, o browser Chrome passa a permitir salvar páginas na íntegra, dispensando a utilização de dados móveis.

4. Google Now mais “esperto”

O sistema de cartões do Android M vai oferecer conteúdos com mais contexto. Por exemplo, quando estivermos a ouvir uma determinada música ele dir-nos-á quem está a cantar, se procurarmos um filme será possível ver de imediato o trailer, ou a ementa de um determinado restaurante ao receber um convite para jantar numa mensagem de email. Este sistema recebeu o nome “Now on Tap” e vai estar por todo o dispositivo, integrando múltiplas aplicações. Para ser ativado, basta manter pressão sobre o botão principal do smartphone. O “Now on Tap” vai ser capaz de reconhecer a aplicação que estiver aberta (email, browser, mensagens) e apresentar ligações e sugestões de acordo com o que está a ler, ver ou ouvir.

5. Google Photos com armazenamento gratuito

A Google já oferecia o armazenamento gratuito de fotografias integrado na Google Drive, mas a partir de agora oferece espaço ilimitado para fotografias e vídeos, reduzindo automaticamente o tamanho mas “mantendo a qualidade”. Se preferir manter o arquivo com a qualidade original (considerando as câmaras modernas, que produzem ficheiros grandes), este continuará a ser condicionado ao espaço disponível na Drive. Já pode descarregar a nova aplicação Photos, em Android e iOS.

Mas há mais. O Google Photos permite a organização e pesquisa contextual das imagens, como pudemos testemunhar há umas semanas num evento em Madrid. O sistema utiliza a geolocalização e é capaz de reconhecer objetos. Quer encontrar fotos onde aparece num determinado local e data junto de um determinado objeto (ou até do seu cão)? Basta pedir, de viva voz.

6. Pagamentos

Depois do falhanço do sistema de pagamento Google Wallet, a empresa apresentou o Android Pay, que irá funcionar através da tecnologia NFC (tocar e pagar) e/ou com autenticação com impressão digital. Os detalhes deste sistema ainda não foram completamente esclarecidos, mas a Google promete que vai estar disponível em 700 mil estabelecimentos (nos EUA), através da ativação pelas operadoras móveis.

O novo Android M vai também incluir suporte nativo para as novas fichas USB do tipo C, um novo formato USB sem “frente e verso”, ou seja, que se encaixa sem haver necessidade de estar atento à posição da ficha. Além disso, e por ter maior capacidade energética, permite não apenas carregar o equipamento Android mas fazer dele um carregador de um outro. O USB-C já é usado, por exemplo, no novo MacBook da Apple, e a tendência do mercado aponta para a massificação do formato no futuro próximo.

Na apresentação do primeiro dia da conferência I/O foram ainda destacados outros projetos e funcionalidades. Novas aplicações para o Android Wear (o SO dos smartwatches), o Project Brillo que liga os dispositivos móveis à “internet das coisas” (lâmpadas, fechaduras, termostatos, etc.) e sistemas de apoio à realidade virtual: um novo formato do Cardboard, uns “óculos” onde é possível acoplar o smartphone. E foi ainda anunciada uma parceria com a GoPro, a construção de um anel (ou cinta) onde é possível instalar 16 câmeras. O software da Google permitirá construir uma imagem estereoscópica a partir das múltiplas capturas.

Estão disponíveis informações mais detalhadas na página oficial do evento.