Os congressistas republicanos do estado da Florida Ileana Ros-Lehtinen, Mario Díaz-Balart e Carlos Curbelo manifestaram hoje a sua oposição à reabertura da embaixada de Cuba nos EUA e nomeação de um embaixador.

“De agora em diante os espiões cubanos têm uma base nos Estados Unidos, que é a nova embaixada cubana”, disse Curbelo durante uma conferência de imprensa em Miami.

“Esta é uma das polícias externas mais irresponsáveis levadas a cabo nas últimas décadas. Obama insiste em abraçar um governo inimigo dos Estados Unidos, um governo que continua a apoiar o terrorismo”, acrescentou Curbelo.

A bandeira cubana foi na segunda-feira içada no Departamento de Estado norte-americano, num gesto histórico que marca a renovação dos laços diplomáticos entre Havana e Washington e a abertura das embaixadas nas duas capitais, após 54 anos.

As relações diplomáticas foram retomadas oficialmente às 00:00 de segunda-feira, com a bandeira cubana a ser içada algumas horas mais tarde, num gesto que visa enterrar décadas de afastamento entre os dois países.

O restabelecimento oficial das relações diplomáticas entre os dois países, após mais de meio século de tensões herdadas da Guerra Fria, marca o fim da primeira fase desse processo iniciado a 17 de dezembro de 2014, mas o Presidente cubano, Raúl Castro, insiste em que as relações bilaterais só serão normalizadas quando o seu homólogo norte-americano, Barack Obama, utilizar os seus “poderes executivos” para pôr fim ao embargo imposto à ilha em 1962.

A reabertura de embaixadas segue-se ao anúncio histórico, em dezembro, de uma reaproximação entre estes dois países, após mais de cinco décadas de hostilidade e desconfiança.