Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Militantes da jihad fizeram um chamamento explícito aos seus seguidores para que libertassem os prisioneiros acusados de terrorismo islâmico nas prisões espanholas, escreve o ABC.

Os líderes de grupos terroristas como o Estado Islâmico (EI) e Al Qaeda pretendem assim contrariar a eficácia policial e a aplicação do ‘Programa de Intervenção com Islâmicos Detidos’. Este plano do Estado tem como objetivo evitar que as prisões se tornem centros de recrutamento para a jihad ou um local onde se planeiem atentados. Até agora, permitiu controlar cerca de 2.000 detidos, a maioria oriundos de países muçulmanos, escreve o ABC.

O chamamento, publicado a 18 de julho numa página da Internet jihadista, apela explicitamente a que os terroristas libertem os “prisioneiros muçulmanos” detidos este ano em prisões espanholas. Foi divulgado pouco depois dos atentados em França e Tunísia e terá sido a razão pela qual os especialistas em antiterrorismo aconselharam as autoridades dos países a manter o nível de alerta de perigo no nível 4 (acionado após estes atentados).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR