Rádio Observador

Desporto

Veloso já está com a cabeça em França. Falta-nos um ponto!

Portugal venceu (1-0) na Albânia e está quase, quase no Europeu de 2016, em França. O jogo de dia 8 de outubro, em Braga, contra a Dinamarca, vai decidir o que falta decidir. Um empate chega-nos.

Sigam-no, rapazes, que ele sabe em que direcção seguir! Em direcção a França, aponta Miguel Veloso...

ARMANDO BABANI/EPA

Autor
  • Tiago Palma

A Albânia não perdeu um só jogo nesta qualificação para o Euro ’16. Portugal sim, perdeu um — e precisamente contra os albaneses, em Aveiro. A vitória dos portugueses esta noite, lá longe, na Albânia, e depois do empate da Dinamarca contra a Arménia (os dinamarqueses, antes do jogo começar, tinham os mesmos 12 pontos que Portugal e no próximo jogo viajam até ao Estádio AXA, em Braga), não nos garantiria desde já o apuramento, mas permitir-nos-ia, pelo menos, fazer a pré-reserva dos bilhetes para ir a França no próximo verão jogar com os melhores da Europa.

O problema é que a noite no Elbasan Arena, estádio velhinho, pequeno, mas à pinha, com 12 mil albaneses desertos de ver a sua nação, pela primeira vez, numa fase final, não se adivinharia fácil. Os futebolistas albaneses, de apelidos quase impronunciáveis para nós, com ar de pugilistas dos Balcãs, daqueles que franzem o sobrolho e até medo treme de medo deles, queriam fazer-lhes a vontade. Não são futebolistas de vir na caderneta de cromos, não lhes reconhecemos o rosto, menos ainda a inscrição que trazem na camisola, mas tal como os sérvios, os montenegrinos, os bósnios ou os croatas, a verdade é que naquela região não se trata mal a bola, não senhor. Portugal ia ter que suar as estopinhas.

Albânia: Berisha; Djimsiti, Cana, Ajeti e Agolli; Kukeli, Xhaka e Abrashi; Gashi, Lenjani e Çikalleshi.
Portugal: Rui Patrício; Vieirinha, Pepe, Ricardo Carvalho e Eliseu; Danilo Pereira, Miguel Veloso e Bernardo Silva; Nani, Danny e Cristiano Ronaldo.

O jogo não lhe corria de feição. Ronaldo tentava, colado à linha, desde a esquerda, furar a defensiva albanesa, tentava o remate à baliza, mas caiam-lhe sempre dois ou três albaneses em cima, durinhos, e caía também Ronaldo ao chão. Noite maldita, não acertava um passe que fosse, baliza nem vê-la, e de Ronaldo só se via (e ouvia) o seu praguejar. Maldita ou não, se alguém haveria de rematar esta noite, haveria de ser ele. E foi. Aos 12′, quando o jogo se via mortiço, longe das balizas, com albaneses e portugueses a contarem espingardas, mas sem um só tiro disparado, eis que Cristiano Ronaldo resolveu, logo dali, do meio da rua, com a baliza à frente, usar da sua melhor arma, o remate, e atirar para golo. Defendeu a custo Berisha para canto. E do canto, logo em seguida, marcado por Danny, Danilo Pereira desviou a bola no primeiro poste, ela seguiu para o segundo, e lá estava Nani, a desviar de novo, mas para o ferro. Que maldito ferro! E que perigo…

Aos 39′, Ronaldo usou do papel químico, e rematou, do mesmo sítio que antes, com a mesma força que antes, tudo igual, e, como antes, Berisha defendeu para canto. Até final do jogo, e ainda faltava um tanto, não se viu em Elbasan um remate mais, o que se viu foram umas arrancadas frouxas de Ronaldo, a classe de Bernardo Silva a fogachos e o acerto defensivo de Pepe, que evitava males maiores. O demais foi um aborrecimento.

A segunda parte foi, no mínimo, mais animada. Tanto no relvado como nas bancadas. É que os albaneses, de quem se dizia que eram fervorosos, mas que mal se escutaram no começo do jogo, fizeram-se ouvir (e muito) após o intervalo. A primeira ocasião de perigo, contudo, até foi de Portugal, que não se encolheu com o fervor que chegava do Elbasan Arena. Cédric (que entretanto entrou para o lugar de Vieirinha) foi à linha, não tinha espaço para cruzar, voltou atrás, e cruzou mesmo, de canhota, para o segundo poste. Surgiu lá ao fundo Danny, para rematar de cabeça, sozinho, sem um só albanês que o desestabilizasse, mas rematou ao lado. Foi aos 56′.

O ferro, que foi maldito para Nani e para Portugal na primeira parte, foi bendito para os de cá e para Rui Patrício na segunda. Aos 75′, Abrashi encheu a canhota, rematou com vontade, a “vontade” dele ainda ressaltou nas costas de Pepe, e a bola foi caprichosamente bater no poste. O jogo estava num ritmo endoidecido. Portugal respondeu logo depois, Ronaldo viu Eliseu a correu por ali acima, a galgar o flanco todo, desmarcou-o, e o lateral do Benfica, cara a cara com Berisha, picou-lhe a bola por cima. O remate saiu largo, largo, tão largo que foi para fora, ao lado do poste esquerdo.

É sina. Sofrer, sofrer até ao fim, e depois alguém resolver. Resolveu um herói improvável. Miguel Veloso não era titular com a camisola das quinas desde o Mundial no Brasil. Regressou hoje ao onze, saltou mais alto que os 21 homens que com ele partilharam o relvado, e cabeceou a bola, aos 91′, depois de um canto de Quaresma, lá para dentro, em direcção a França, em direcção ao Euro ’16. Ainda não está, ainda falta o jogo com a Dinamarca e a ida à Sérvia, mas falta pouco. Muito pouco. Um pontinho só.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)