Livros

Livro: como um hacker deu a liderança do PSD a Menezes

857

A luta pela liderança do PSD teve de tudo: subornos, caça de votos e até pirataria informática. O livro "Os Predadores", de Vítor Matos, conta os bastidores das disputas mais sangrentas de sempre.

A equipa de Menezes contratou um hacker que "foi pago para descodificar o algoritmo", revela o livro

Vítor Rios / Global Imagens

15 de julho de 2007, Lisboa. António Costa confirma todas as expectativas e vence as eleições autárquicas em Lisboa com 29,54% dos votos. Carmona Rodrigues, que caíra depois de Luís Marques Mendes, então líder do PSD, lhe ter retirado a confiança e se candidatara como independente, conseguiu o segundo lugar, mesmo com o escândalo Bragaparques bem vivo. O terceiro lugar do candidato social-democrata Fernando Negrão à câmara da capital deixava assim Marques Mendes sem opção: a derrota em Lisboa, aliada à crescente contestação interna, obrigava-o apresentar a demissão e a convocar eleições antecipadas para a liderança do partido.

Estava aberta aquela que viria a ser uma guerra quase fratricida e uma das batalhas mais sangrentas da história do partido da São Caetano à Lapa: Marques Mendes, rodeado das principais figuras do PSD, ia defrontar Luís Filipe Menezes, dono e senhor do aparelho local. “Resumindo, quem tivesse sucesso a fazer as maiores vigarices no aparelho ou manipulado os dados na secretaria” arriscava-se a vencer as eleições. Bem-vindo ao mundo de “Os Predadores“, livro assinado por Vítor Matos, onde o jornalista se propõe a pôr a nu “tudo o que os políticos fazem para conquistar o poder”.

No capítulo “Menezes vs Mendes: cacicagem científica contra golpes de secretaria”, Vítor Matos conta como, “contra todas as apostas”, o ex-presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia conseguiu chegar à liderança do partido. Algumas pistas: “Investiu na digitalização de um ficheiro com mais de 100 mil militantes” e “houve suspeitas de espionagem e de subornos a funcionários do partido”. Ainda assim, “se não fosse um ato de pirataria informática, a vitória teria sido impossível: um hacker foi pago para descodificar o algoritmo que gerava os códigos do multibanco para pagar as quotas a milhares de militantes“.

“Os barões e notáveis, os grandes nomes do partido e os líderes de opinião, apareciam ao lado de Marques Mendes, assustados com a vaga possibilidade de Menezes ganhar. A candidatura sediada em Gaia reforçava o discurso basista de que o poder é do povo e que o povo laranja é que decide o futuro e não meia dúzia de baronetes da elite lisboeta ou portuense. Só que o povo militante vota consoante outros baronetes, os locais”. Era nestas bases que mendistas e menezistas partiam para o duelo pela liderança do PSD.

Menezes já tinha sido derrotado por Marques Mendes em 2005, mas, desta vez, não estava disposto a perder. O agora comentador “estava desgastado, poucos no partido se entusiasmavam com ele, entrara no estado em que ficam todos os líderes da oposição quando têm pela frente um Governo que não está prestes a cair”. A somar a isso, Mendes tinha comprado “guerras terríveis como aparelho” depois de ter afastado várias candidaturas de “autarcas envolvidos em escândalos” que depois se viraram contra o partido – Valentim Loureiro e Isaltino Morais, à cabeça. Iam-se as “estruturais locais”, ficavam os dedos. E os dedos ainda controlavam a estrutura máxima do partido. O caminho de Menezes não ia ser fácil e teria vários obstáculos.

A luta pelos cadernos do partido e a campanha mais científica de sempre

O primeiro: “Era preciso ter acesso aos cadernos do partido, de forma a identificar os militantes e pagar-lhes as quotas”. “Houve pelo menos uma toupeira na sede nacional a passar alguns dados à campanha de Luís Filipe Menezes”, que terá recebido “uma atenção” para ajudar, revela um dirigente do partido – “eufemismo” para suborno, leia-se. Mas não chegava.

Miguel Macedo, então secretário-geral do partido, “não estava disposto a facilitar a vida aos adversários”. Acedeu, como tinha de o fazer, e entregou os dados. Mas fê-lo da pior maneira possível: “No tempo da informática e na era do Excel”, os nomes, números de militante, números de telefone, género e idade, de cerca de 120 mil militantes chegaram à lista concorrente em… papel“. Eram “milhares de páginas” com informação que tinha de ser digitalizada urgentemente. Seguiu-se “um trabalho insano de inserção de dados”, que envolveu centenas de pessoas e contou com ajuda dos jotas. Próximo passo: criar uma base dados moderna e eficaz.

A contratação de uma empresa informática do Porto para desenvolver a base de dados foi determinante para Luís Filipe Menezes. Quem pagou e com que dinheiro permanece um mistério. Uma vez digitalizada, a base de dados permitiu criar o Sistema de Gestão de Militantes (SGM). ‘Foi a campanha mais científica que já se fez em Portugal’, diz um dos responsáveis pela execução do plano”.

“O SGM distinguia três tipos de militantes: os verdes [adquiridos], os vermelhos [afetos a Marques Mendes] e os amarelos [os indecisos]”. A chave para a vitória, claro, estava nos amarelos. “Com base na informação enviada para o Porto em tempo real por cada cacique, era possível perceber quem estava com quem e fazer, a partir daí, uma gestão inteligente dos recurso”. No Porto, a máquina de Menezes controlava todas as ações: Marco António Costa, diretor de campanha, “estava em todas”; Nuno Delerue era o “terrorista” de serviço; Luís Cirilo “mantinha a rede de caciques organizada e fidelizada”; Helena Lopes da Costa “comandava as tropas de Lisboa”; António Cunha Vaz “tinha a comunicação a cargo e injetava informação e contra informação nos jornais; e Ribau Esteves “era o porta-voz da campanha”, incendiário q.b.. Estava em marcha a corrida para a liderança do partido, mas era preciso resolver o problema das quotas por pagar – sem isso, de nada resultava mobilizar militantes.

O pagamento das quotas acabou por se tornar no tema central da campanha (…). Era o jogo do gato e do rato. (…) Só havia três formas de realizar os pagamentos: por vale postal, o que não era muito prático e mostrava as cartas ao adversário; por cheque individual, que o era ainda menos; e através do multibanco, a forma mais fácil de furar o esquema e de ultrapassar as limitações impostas”.

Capturar

“Os Predadores”, de Vítor Matos. Editora Clube do Autor

Pirataria informática foi a chave que abriu o cofre

Mas havia um problema: “Na secretaria-geral do PSD, os códigos para o pagamento por multibanco eram gerados informaticamente através de um algoritmo. Como acontece com as contas do telemóvel ou da eletricidade, os códigos de pagamento eram gerados no momento em que eram impressos em talões, que seriam imediato enviados por carta aos militantes”, conta Vítor Matos. Ou seja, “sem acesso à chave do cofre, mas já com a base de dados digitalizada, faltava aos ‘menezistas’ dar um passo: desbloquear o algoritmo“. É aqui que entra a tal empresa sediada em Madrid.

No livro, o jornalista cita, pelo menos, “cinco fontes próximas de Menezes”, identificadas e não identificadas, que confirmam a manobra de pirataria informática. Firmino Pereira, então vereador em Gaia e “homem-forte do aparelho na concelhia”, confirma: “Foi uma empresa de Madrid que conseguiu desencriptar os códigos para o multibanco”. Outras fontes falam em “verbas entre os 20 mil e os 30 mil euros” usadas para “pagar o serviço” e desbloquear “uma cifra de caracacá“.

Carlos Reis, na altura, presidente da concelhia da Amadora, também o faz. “Menezes tinha uma equipa de informáticos que conseguiram quebrar o algoritmo quando já tínhamos a listagem toda dos militantes, e assim passámos a ter os códigos”. É também ele que conta como foi a primeira noite depois de estarem na posse dessa informação:

Foi uma noite épica. Eu e umas seis pessoas chegámos ao Restelo entre a meia-noite e a uma da manhã para pagar as quotas em vários multibancos. Quando lá chegámos, estava tudo ocupado por um grupo de outra concelhia a pagar. Andávamos em Lisboa à procura de multibancos livres. Estava tudo ao mesmo“, revela Carlos Reis.

Em declarações ao autor, Luís Filipe Menezes garantiu não saber nada sobre esse, alegado, esquema. “Isso para mim é novidade. Não tenho ideia. Tem de ser falso. Pessoalmente não conheço nada disso“.

Hoje, mais de sete anos depois, Carlos Reis reconhece que tudo aquilo foi exagerado. “A certa altura não havia racionalidade. Era uma guerra civil e hoje penso como pude estar num filme destes que acabou tão mal”. Mas o lado de Marques Mendes também não se estaria a portar muito bem. Pelo menos, era nisso que acreditavam os menezistas. As mesmas estratégias eram, alegadamente, usadas pelos partidários de Mendes, “através de vales postais em concelhias como Ansião, Lamego ou Espinho“, enviados às centenas. Ao mesmo tempo, denuncia Carlos Reis, “havia uma caça ao menezista” para retirar votos ao gaiense. “Carlos Reis tinha pago a quota do pai e da mãe com o seu próprio multibanco: o pai foi impedido de votar, mas não a mãe.  ‘É que a minha mãe não tem o nome Reis’, alega. Casos semelhantes repetiram-se pelo país”. Vivia-se um clima de “guerra tribal”.

Quando se entra numa guerra tribal, já não é uma questão de poder. Eu não podia perder aquela eleição’, recorda Carlos Reis. ‘Era uma questão que já envolvia amizades. Aqueles atos, como o de banir o meu pai e outras pessoas de votar, fez emergir o que de pior há na militância partidária e nas relações humanas”.

Mas Luís Marques Mendes não se ia deixar ultrapassar assim tão facilmente. O secretário-geral do partido, Miguel Macedo, “pediu à SIBS, a empresa que gere a rede dos multibancos, para lhe fornecer dado que permitissem à secretaria-geral do partido detetar que pagamentos estavam a ser feitos pelos apoiantes do rival”. Na posse dessa informação, os sinais eram claros: “Dezenas de pagamento de quotas feitos com o mesmo número de cartão, separados por poucos segundos” em “caixas ATM específicas”. “Era a prova de que a havia batota”. Assim, foram “varridos dos cadernos eleitorais centenas ou milhares de militantes verdes do ‘menezismo’“. Era um duro golpe para o adversário.

No entanto, a máquina de Luís Filipe Menezes não desistiu. “Para fugir de novo ao gato, os ‘menezistas’ mandaram fazer mais cartões multibanco e foram criadas contas específicas, em nome de dirigentes de concelhias, só dedicadas ao pagamento de quotas. Mais uma vez: de onde veio dinheiro não se sabe“.

Quando Menezes esteve a horas de desisitir

Os dados estavam lançados e, de escândalo em escândalo, chegava o dia das eleições. Mas não sem antes Luís Filipe Menezes, “com a sua instabilidade emocional a cair para um dos picos negativos que por vezes o atacavam“, ter estado perto da desistência. Não fosse Nuno Delerue ter dado um “pontapé à bruta numa mesa de vidro” e “três berros” e tudo poderia ter sido diferente.

A dois dias das eleições, Menezes marcou uma conferência de imprensa para o Hotel Altis no Parque das Nações. Levava no bolso o discurso de desistência. Mas Nuno Delerue “encheu-lhe a cabeça” durante a viagem entre Vila Nova de Gaia e Lisboa. Então, o “discurso de desistência acabou por ser o discurso de resistência”.

“Foi então que chamou ‘pequeno tirano‘ a Mendes, acusando-o de ter uma estratégia eleitoral digna da ‘censura do Estado Novo’ (já o tinha comparado a Salazar) e de ‘não ter estatura política e principalmente ética‘ para continuar a liderar o PSD”. Não é preciso elaborar muito para perceber a que se referia Menezes quando falou em “estatura política”. Era o Grito do Ipiranga do gaiense.

Acelerando o filme, “no dia das eleições diretas, Marques Mendes vai votar a Fafe e regressou a Lisboa convencido de que ia ganhar. Luís Filipe Menezes e o seu núcleo duro já tinham a certeza da vitória” por altura do jantar. A máquina era de tal forma oleada que, nesse dia “tinha delegados formais e informais a enviar dados por telefone e SMS, hora a hora, sobre a afluência às urnas. Eram os modernos galopins, armados com telemóveis que a candidatura distribui por todo o país, de forma a telefonarem para os militantes que ainda não tinham ido votar e comunicarem os dados à central ‘menezista'”. Não foi preciso muito, a vitória já não escapava a Menezes.

O resultado pôs de costas voltadas figuras que, hoje, estão do mesmo lado da barricada. Nessa noite, se Marco António Costa festejava com provocações ao adversário, Paula Teixeira da Cruz dizia: “Foram derrotados valores. Foram derrotados princípios“. O resto da história é conhecido: Menezes não duraria muito na liderança do partido e, sete meses depois de chegar à principal cadeira do São Caetano à Lapa, deixava a presidência do PSD, “sem proveito nem glória“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

Livros para o Natal (I) /premium

João Carlos Espada

Seis sugestões de livros que são também leituras que desafiam os dogmas politicamente correctos hoje dominantes entre nós.

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)