Título: Bronco Angel, o Cow-boy Analfabeto
Autor: Fernando Assis Pacheco aliás, William Faulkingway
Editor: Tinta-da-china
Páginas: 125
Preço: 14,90€

bronco

Bronco Angel, o Cow-Boy Analfabeto dá início à publicação por parte da Tinta-da-china das obras completas do poeta, cronista e jornalista Fernando Assis Pacheco, vinte anos após a sua morte. Este primeiro livro é um folhetim que integrou durante o ano de 1983 o jornal satírico O Bisnau, sendo agora compilado pela primeira vez.

Bronco Angel conta a história de Bronco Angel, Angel de nome, Bronco de alcunha. E Angel, justiça lhe seja feita, tudo faz para justificar este epíteto. Virtude dos “porradões na cabeça” que desde menino levou ou da gestação de catorze meses, a verdade é que Angel é efectivamente o homem mais bronco de Crow Junction. Bronco ao ponto de fazer de “uma jaqueta de hussardo, uma saia de bailarina húngara e um par de botas de atanado que tinham servido a um faz-tudo chinês” (página 63) a sua farda oficial de xerife. Bronco ao ponto de, caso se perdesse numa floresta tropical, ser menino para, como sugere o director da escola dominical para a qual o pai, já em desespero de causa, o transfere, comer uma bússola.

Fernando Assis Pacheco, aliás William Faulkingway chegou o mais perto possível de criar, à volta deste cowboy analfabeto, um western português: Crow Junction fica nos Estados Unidos da América, mas sempre que Búfalo Poia, o vilão, e Jimmy Cicatriz, o xerife a que Angel viria mais tarde a suceder, saíam à rua ao mesmo tempo, a cidade tornava-se pequena demais para ambos e “despovoava-se em três tempos: longas filas atravancavam a auto-estrada do Sul e a saída de Benfica, vendo-se a Guarda impotente para canalizá-los com um mínimo de fluidez.” (página 60); as cenas de tensão envolvem xerifes a tirar Smith & Wessons do coldre enquanto discutem o impacto que a saída do João Alves para o Boavista irá afectar a linha avançada do Benfica e a tribo que ameaça a paz de Crow Junction é composta por índios Lukaspiris (numa altura em que o CDS liderado por Francisco Lucas Pires se opunha veementemente ao Bloco Central, resultante da coligação formada por PSD/PS após as legislativas de 1983).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Se as aventuras de Bronco enquanto xerife responsável por impor a lei no seio de Crow Junction são, de facto, muito divertidas, o caminho de Angel até à delegacia é penoso. E não é penoso apenas para Angel à custa das infinitas “porradas na cabeça” que vai levando. É penoso também para nós que até podermos ler aventuras como a do resgate do cavalo barricado dentro de uma casa de banho pública, exigindo que lhe digam os bons-dias em francês, temos que ler crónicas francamente mais desinspiradas.

O problema do riso fácil

Nas primeiras oito crónicas do livro, Assis Pacheco limita-se a repetir fórmulas que provocam um riso fácil. Até ao primeiro duelo de cowboys, a história assenta em variações sem grande interesse da estupidez de Angel, que ora não sabe a tabuada do ‘um’, ora acha que Dom João V foi o primeiro rei de Portugal. Mesmo episódios cómicos como os desmentidos acerca da identidade do escritor escondido por trás do pseudónimo William Faulkingway ou a narrativa da alfabetização de Bronco que acaba por aprender apenas a letra ‘B’, mas que mesmo assim a confunde com uma lagarta da couve, são repetidos vezes demais, tornando-se cansativos.

Tal como cansa a forma como a bronquice de Angel é qualificada pelos espectadores da mesma. O espanto perante a estupidez do mais célebre habitante de Crow Junction é sempre descrito através de comparações com tanto de estapafúrdias como de pormenorizadas. Se nos rimos da primeira vez que Bronco leva a professora a fazer “uma cara como um elefante apanhado num canteiro de túlipas diante do Palácio Real de Amsterdão” (página 20), já não achamos tão cómico quando, pela terceira ou quarta vez em menos de vinte páginas, Bronco é descrito a partir do esquema acima indicado, ao ser dito que “este gajo nasceu cruzado de hipopótamo e harmónica de beiços” (página 24).

Embora seja sempre difícil avaliar sátiras de pequenos episódios da vida política quotidiana nacional passados trinta anos, a verdade é que também a articulação entre o que acontecia em Portugal em 1983 e a biografia do perigoso (para si mesmo) cowboy parece ser feita com muito maior subtileza e talento nas crónicas posteriores à chegada a Crow Junction de Búfalo Poia em todo o seu esplendor. Aí, Búfalo Poia desmonta do seu cavalo, Jimmy Cicatriz esconde-se por debaixo de um divã, levando consigo um rolo de papel higiénico, “com certeza para se assoar” (página 56), e Angel pode finalmente ocupar o lugar na literatura portuguesa que lhe pertence por direito: o de maior bronco do faroeste europeu.

João Pedro Vala é aluno de doutoramento do Programa em Teoria da Literatura da Universidade de Lisboa.