Rádio Observador

Presidenciais 2016

O que os candidatos presidenciais querem para a Saúde

A morte de um homem no São José por falta de apoio médico a um fim de semana obrigou os candidatos presidenciais a falar sobre saúde. Não aos cortes, garantem.

Um homem morreu no São José porque, aparentemente, não havia nenhum médico para fazer uma cirurgia urgente ao fim de semana

João Relvas/LUSA

Se já estivessem no Palácio de Belém, os principais candidatos presidenciais não promulgariam nada que envolvesse austeridade no Serviço Nacional de Saúde. É isso que se depreende das declarações que fizeram Marcelo Rebelo de Sousa, António Sampaio da Nóvoa, Maria de Belém Roseira, Edgar Silva e Marisa Matias a propósito da morte de um homem nas urgências do Hospital de São José por não haver médico disponível aos fins de semana para uma cirurgia urgente.

Os candidatos às presidenciais de janeiro foram unânimes no lamento ao ocorrido e também nas críticas aos cortes orçamentais feitos nos últimos anos. “Foi denunciado em seu devido tempo que esta política de austeridade e este ciclo de empobrecimento que estava a ser posto em prática pelo Governo de direita levaria mesmo a muitas vidas que se perderam“, disse este sábado Marisa Matias, candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda.

Também Sampaio da Nóvoa apontou baterias ao Executivo Passos/Portas. “Parece-me evidente que a responsabilidade tem de ser atribuída ao Governo anterior, a grande parte dos processos de degradação do Serviço Nacional de Saúde“, afirmou o candidato numa entrevista à TVI. “Eu fui alertando, muitos de nós fomos alertando ao longo dos últimos anos”, acrescentou, para logo de seguida criticar Marcelo Rebelo de Sousa pelas suas aparentes contradições neste assunto.

Marcelo, que foi dos primeiros a reagir ao tema e até visitou as urgências do São José no sábado, começou por não se referir à austeridade na saúde. “A democracia exige apuramento de responsabilidades. Para que esta morte ou eventualmente as mortes de que se fala tenham um sentido útil: salvar vidas no futuro. Os portugueses e as portuguesas não devem perder a confiança no Serviço Nacional de Saúde”, disse à saída do hospital. Só este domingo, quando Marisa Matias e Sampaio da Nóvoa criticaram o ex-comentador, é que Marcelo falou dos cortes. “O Estado Social é para mim, desde sempre, uma prioridade. Não se esqueça que eu votei a Constituição. Uma das preocupações como constituinte era a construção de um Estado Social. Não se deve cortar em matéria de saúde porque cortar nisso não só é matar o Estado Social como é sobretudo enfraquecer os direitos dos portugueses”, disse o candidato já este domingo.

Antes, Marisa Matias tinha dito que achava “incompreensível que o candidato Marcelo Rebelo de Sousa apoiasse a política do Governo anterior ao mesmo tempo em que o Governo andava a promover estes cortes na saúde”.

O candidato comunista Edgar Silva foi mais longe do que os restantes nas críticas à austeridade, culpando não só o Governo PSD/CDS como todos os que lhe antecederam. “Os Governos até agora têm cortado nas funções sociais, têm desresponsabilizado o Estado, têm-se desresponsabilizado das suas obrigações na defesa do Serviço Nacional de Saúde“, acusou.

A crítica abrange igualmente Maria de Belém, que foi ministra da Saúde de Guterres e que, perante este caso no São José, considerou que “os cortes na saúde não podem ser acríticos”. A candidata presidencial não rejeitou austeridade neste setor, disse apenas que esta tem de ser aplicada “naquilo que não faz falta ou naquilo que está a ser mal gasto”. Nunca em situações de vida ou de morte. “Quando nos entra pela porta dentro uma pessoa em risco de vida, nós não podemos ir ver se há cobertura orçamental, temos de a tratar.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)