Marcelo Rebelo de Sousa falou ao País para anunciar a promulgação do Orçamento de Estado para 2016. Um discurso de dez minutos, que proferiu sentado, a meio da tarde, em tom didático. Para dizer que considera o documento estratégico constitucional, mas também que ele encerra várias dúvidas. Na sua primeira comunicação oficial, o Presidente falou num OE de compromisso, no OE possível que só em 2017 se saberá se foi suficiente. Para já exigiu rigor no seu cumprimento. A bola ficou, pois, do lado de António Costa.

José Manuel Fernandes, Rui Ramos, Helena Matos, Nuno Garoupa, Paulo Ferreira, Luís Aguiar Conraria e Miguel Pinheiro analisam o que disse o Presidente, a forma como o disse e o que encerra o seu discurso.

opinioesOE_2_bt_jose opinioesOE_2_bt_rui
opinioesOE_2_bt_helena opinioesOE_2_bt_nuno
opinioesOE_2_bt_paulo opinioesOE_2_bt_luis
opinioesOE_v2_bt_miguel

José Manuel Fernandes, jornalista, Publisher do Observador

Rui Ramos, historiador

Helena Matos, jornalista e colunista do Observador

Nuno Garoupa, presidente da FFMS

Paulo Ferreira, jornalista e colunista do Observador

Luís Aguiar Conraria, professor e vice-presidente da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho

Miguel Pinheiro, jornalista, diretor executivo do Observador