Política

Nuno Garoupa: “Do orçamento a aliados estratégicos”

137

Para já, o orçamento abre caminho a uma aliança estratégica entre Marcelo e Costa. Se a situação económica e financeira europeia vai permitir este equilíbrio por muito tempo, é o que veremos a prazo.

TIAGO PETINGA/EPA

Desde que o Governo tomou posse, no final de novembro, era evidente para todos (exceto alguma opinião publicada à direita que insiste em confundir a realidade com os seus desejos) que Costa e Marcelo eram aliados táticos. Objetivamente, as agendas políticas de ambos convergiam para evitar eleições legislativas a curto prazo (como o PSD e o CDS sonhavam).

Com a entrada de Marcelo em Belém abriu-se um novo período. O Governo voluntariamente apagou-se e deixou ao Presidente as luzes da comunicação social nas últimas três semanas. E Marcelo marcou a diferença. Apostou numa nova injeção de otimismo (o espírito Expo 98 sem Expo 98), no regresso ao discurso nacional dos centros de decisão nacional contra a espanholização dos setores fundamentais da economia (neste caso, a banca), e mesmo alguma influência direta nas políticas governamentais mais polémicas (educação para já).

O discurso de hoje sobre o Orçamento insere-se claramente nesta dinâmica. O Presidente essencialmente justificou o Orçamento do Governo (reconhecendo a preocupação social e respondendo às três criticas principais: previsões, medidas adicionais, modelo inspirador com base no consumo privado), evidentemente com avisos aqui e ali para evitar uma colagem excessiva (por exemplo, insta ao rigor da execução orçamental), mas com um discurso muito mais próximo da maioria governamental e mais longe da oposição, principalmente do PSD (aliás, criticando o modelo austeritário do Governo anterior).

Este redescoberto papel do Presidente como figura de referência do otimismo, a sintonia com o espírito pós-austeridade do Governo e com o primado das políticas sociais, o afastamento do PSD (que evidentemente só pode rejeitar a onda de otimismo do Presidente e do Governo) clarificam Costa e Marcelo como aliados estratégicos.

A Costa interessa-lhe partilhar o palco com Marcelo na procura de um equilíbrio que lhe seja mais confortável nas negociações com os seus aliados e que, ao mesmo tempo, seja um problema político para o atual PSD (acantonado na posição de dizer mal de tudo e não oferecer nenhuma alternativa, com uma estratégia de comunicação ingrata, pois parece que espera uma qualquer tragédia nacional para regressar ao poder).

A Marcelo interessa-lhe perpetuar este Governo, pois é suficientemente fraco para que o Presidente tenha um papel importante e interventivo. Ao mesmo tempo, nesta conjuntura política, Marcelo é naturalmente o líder da direita em detrimento de quem esteja à frente do PSD. Se depender de Costa e de Marcelo, esta dupla governará por bastante tempo. Para já, o orçamento abre caminho a esta aliança estratégica. Se a situação económica e financeira europeia vai permitir este equilíbrio por muito tempo, é coisa que veremos a prazo.

Nuno Garoupa é presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS)

Para voltar ao início clique aqui

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Os imutáveis /premium

Maria João Avillez

Nunca ocorre à esquerda avaliar o adversário pelo mérito, a responsabilidade, a iniciativa, o currículo, mas sempre só pelo insulto político ou o acinte pessoal. Caramba.

António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)