Orçamento do Estado

Metade do subsídio de Natal pago em duodécimos

Governo queria acabar com pagamento em duodécimos do subsídio de Natal a pensionistas e funcionários públicas, mas fica-se pelo pagamento a metade.

MARIO CRUZ/LUSA

Os funcionários públicos e os pensionistas vão receber apenas metade do seu subsídio de Natal em duodécimos e a outra metade será paga em novembro, o mês habitual em que é feito este pagamento. O Governo queria acabar com o regime, mas acabou por ficar-se por um passo intermédio, segundo a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado que vai ser entregue, esta sexta-feira, no Parlamento.

A decisão estava longe de ser consensual. PCP e CGTP eram a favor. Os sindicatos da Função Pública viam dificuldades. O Bloco, que é contra o conceito, via com preocupação o corte abrupto do rendimento dos funcionários e queria que fosse opcional, algo que o Governo rejeitava.

Resultado? O Governo vai inscrever na proposta de Orçamento uma norma que determina que apenas metade do subsídio de Natal é pago em duodécimos. O resto é pago no final do ano, como acontecia antes de 2012.

Os duodécimos, criados para que os funcionários públicos e os pensionistas sofressem menos o efeito dos cortes aplicados em 2013 com o acumular dos cortes salariais, que já duravam desde 2011, e a criação nesse ano da sobretaxa de 3,5% de IRS.

Os cortes salariais deixaram de ser aplicados em outubro deste ano, mas a sobretaxa de IRS, que era para acabar no final deste ano, será afinal estendida por mais um ano, sendo eliminada a cada três meses por cada um dos escalões (o primeiro já não é sujeito a este imposto).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Austeridade

Os custos das escolhas estão aí /premium

Helena Garrido
1.000

Todas as escolhas têm custos. Mesmo que à primeira vista não pareçam. Os custos das escolhas financeiras feitas pelo Governo estão agora visíveis na Saúde e nos Transportes, agravando as desigualdades

Greve

O mundo que António Costa criou /premium

Rui Ramos
1.596

Desde 2015 que este governo trata os funcionários como o factor decisivo das vitórias eleitorais. As greves são a maneira de os funcionários obrigarem Costa a pagar mais pelos seus votos. 

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)