Educação

CDS pede demissão do ministro. PSD quer mais explicações

1.831

CDS diz que o ministro da Educação não tem condições para continuar por causa da licenciatura do chefe de gabinete do secretário de Estado. PSD não ficou satisfeito com explicação de Brandão Rodrigues

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Vítor Matos

“A confirmarem-se os factos, o ministro da Educação não tem quaisquer condições para continuar em funções”, disse ao Observador o porta-voz do CDS João Almeida, poucas horas depois da notícia do Observador sobre as duas falsas licenciaturas de Nuno Félix, chefe de gabinete do secretário de Estado do Desporto e da Juventude. O CDS pede a demissão de Tiago Brandão Rodrigues porque “ninguém pode, no Governo, ocultar informação quanto ao grau académico, muito menos o ministro da Educação“, afirmou o dirigente conservador num comentário gravado em vídeo.

Para o CDS, “não há justificação” possível: “Ou os factos se confirmam ou não se confirmam. Se se confirmarem, não há como ultrapassar a ocultação de graus académicos. É fundamental averiguar se o ministro sabia ou não”. João Almeida passa o ónus para António Costa: “Se as razões [da demissão do secretário de Estado João Wengorovius] eram estas, eram graves. Temos de saber se o ministro consegue convencer o primeiro-ministro a dizer que não sabia, quando o secretário de Estado diz que o informou”.

PSD diz que explicações do ministro são insuficientes

Perante o comunicado do Ministério da Educação que foi divulgado na sexta-feira à noite, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, veio afirmar que “as explicações do ministro da Educação são muito insuficientes e o PSD volta a instar o Governo a dar uma explicação cabal naquilo que é infelizmente um padrão de comportamento e um caso que não é o único”.

O PSD não foi tão longe como o CDS que pede a cabeça do ministro da Educação. Esta sexta-feira, em declarações ao Observador, o deputado Carlos Abreu Amorim afirmou que “a confirmarem-se os factos, parece existir um padrão invertido de sentido de Estado” no caso das licenciaturas falsas de Nuno Félix. ” Isto verifica-se no caso de ser verdade que o ministro queria manter um chefe de gabinete que mentia em vez de um secretário de Estado que queria repor a verdade. O que é urgente neste momento para o grupo Parlamentar do PSD é que isto seja completamente explicado”.

Carlos Abreu Amorim exorta “o primeiro-ministro a obrigar o ministro da Educação a dar explicações cabais, concludentes e urgentes que permitam aos portugueses perceber o que se passou para salvaguardar a dignidade do Estado”. Para já, o PSD não pede para o ministro ir ao Parlamento, até por causa do calendário, uma vez que a Assembleia da República está ocupada com as discussões sobre o Orçamento do Estado.

Contactado pelo Observador, o PCP não faz neste momento qualquer comentário sobre a demissão do chefe de gabinete do secretário de Estado. Não foi possível obter uma reação do primeiro-ministro que se encontra na Colômbia a participar na Cimeira Ibero-Americana.

Notícia atualizada às 20h00 com as declarações de Luís Montenegro, líder da bancada parlamentar do PSD.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)