Escolas

Yoga, meditação e tai chi em oficinas pedagógicas de escola em Gondomar

349

O Agrupamento de Escolas de Valbom, concelho de Gondomar, alargou este ano letivo à meditação, tai chi e yoga a oferta aos alunos que em 2015 experimentaram o reiki.

Yoga, meditação e tai chi farão parte das oficiais pedagógicas da escola de Gondomar.

Getty Images/iStockphoto

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Inserido nas oficinas pedagógicas que integram o projeto “Escola em movimento”, a introdução destas novas práticas, disse à Lusa a professora Sara Matos, “resultou da adesão de mais duas professoras, Helena Soares e Judite Pinto, que têm formação em yoga e que já praticaram tai chi”.

As oficinas pedagógicas funcionam à quarta-feira à tarde, na EB 2,3 Marques Leitão.

“Desde 12 de outubro, quando iniciámos o projeto, já temos entre inscritos e participantes, 20 alunos”, revelou Sara Matos, uma professora de Língua Portuguesa com formação em reiki e que foi a responsável pelo projeto-piloto iniciado em 2015.

Alguns alunos foram indicados pela assistente social e outros interessaram-se por aquelas práticas pelo “passa-a-palavra entre eles”, explicou a docente, que está a trabalhar as novas terapias com formandos dos segundo e terceiro ciclos.

Pensado para “ajudar os alunos a melhorar o seu desempenho escolar”, a frequência das sessões, segundo Sara Matos, tem “também demonstrado que eles têm muita necessidade de falar”.

Estas são ferramentas de que eles precisam para fazer face às dificuldades quer na escola que no âmbito familiar. Através dos exercícios de relaxamento e de concentração eles podem melhorar os seus índices motivacionais”, explicou.

Em face da “forte adesão de novos alunos” às três terapias, a reintrodução do reiki só deverá acontecer, afirmou a docente, “no final do primeiro período, mas envolvendo, tal como no ano letivo anterior, ‘reikianos’ voluntários externos à escola”.

Em equação está também, uma vez por período escolar, “possibilitar a experiência de cada uma das terapias a amigos, familiares ou professores dos alunos envolvidos”, revelou.

Terapias como o ioga do riso e a meditação têm feito com que eles se libertem cada vez mais e rituais como o do chá ou terem de se descalçar para poderem ocupar os colchões são novidades por eles depressa assimiladas”, descreveu Sara Matos.

Perante o “volume crescente de alunos a aderir” e dado que em cada sessão de meditação “o ideal é entre 10/15 alunos, mas nunca se deve ir além dos 25/30 em simultâneo”, a docente admite vir a criar “mais grupos ou, no limite, não aceitar mais inscrições”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Seremos livres? /premium

Maurício Brito
718

Os resultados a que chegámos permitem-nos afirmar que a despesa com a recuperação total do tempo de serviço dos professores rondaria os 300 milhões de euros – metade do valor que o governo apresenta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)