Arte

80 anos de Guernica. Grande exposição sobre Picasso em Madrid

188

O museu espanhol Reina Sofia, em Madrid, inaugura, na quarta-feira, uma grande exposição sobre a obra do pintor Pablo Picasso, para assinalar os 80 anos da obra e do bombardeamento que a inspirou.

MARKUS STUECKLIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O museu espanhol Reina Sofia, em Madrid, inaugura, na quarta-feira, uma grande exposição sobre a obra do pintor Pablo Picasso. “Piedade e terror em Picasso: o caminho até Guernica”, que vai ficar patente de 05 de abril até 04 de setembro, celebra o 80.º aniversário da criação do quadro, por Pablo Tuiz Picasso, e os 25 anos da chegada da obra ao museu Reina Sofia (Rainha Sofia).

O museu considera que se trata de “uma grande exposição” que reunirá 150 obras-primas do artista, vindas da coleção do museu e de mais de 30 instituições de todo o mundo, como o Museu Picasso e o Centre Georges Pompidou, de Paris, a Tate Modern, de Londres, o Museu de Arte Moderna (MoMA) e o Metropolitan Museum, de Nova Iorque, entre outros.

“Guernica” é a obra mais emblemática da carreira de Pablo Picasso, que nasceu em Espanha, em 1881, e morreu em França, em 1973, e talvez também da arte do século XX.

A pintura a óleo sobre tela, de 349,3cm de altura e 776,6cm de largura, mostra os horrores do bombardeamento à cidade basca de Guernica, por aviões alemães do regime nazi, apoiando o ditador Francisco Franco, em 26 de abril de 1937, durante a Guerra Civil de Espanha, naquele que foi visto como um teste dos bombardeamentos aéreos da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A mostra analisa a “transformação radical” que experimentou o trabalho do artista de Málaga (Espanha) desde os anos 20 do século passado até à realização de “Guernica”.

O quadro mais famoso de Picasso foi pintado a partir de uma encomenda feita pela República espanhola (regime democrático que terminou com a guerra civil e a ditadura franquista), durante a primavera de 1937, para ser exibido no pavilhão de Espanha da Exposição Internacional de Paris, e rapidamente se converteu num símbolo contra os horrores da guerra.

Alguns anos antes de morrer, Picasso pediu para que o quadro só fosse devolvido a Espanha quando as liberdades públicas fossem restauradas nesse país.

“Guernica”, o quadro, chegou a Espanha em 1981, depois da morte do ditador Francisco Franco (1939-1975) e da restauração da democracia, em 1977.

Entre a Exposição Internacional de Paris e 1981, o quadro de Picasso foi exibido em Oslo, na Noruega, em Copenhaga, Dinamarca, Estocolmo e Gotemburgo, na Suécia, e Londres, Leeds, Liverpool e Manchester, no Reino Unido, entre 1938 e 1939.

Depois da vitória do ditador Francisco Franco, em Espanha, e antes do início da II Guerra Mundial, o quadro foi enviado para os Estados Unidos, onde foi mostrado no Museu de Arte Contemporânea de São Francisco, primeiro, e no Museu de Arte Moderna (MoMA), de Nova Iorque, mais tarde, instituição onde se manteve até 1981, depois de breves passagens por cidades norte-americanas como Chicago e Filadélfia, e pelo Brasil, na década de 1950.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)